Em defesa da autonomia universitária

Nós, militantes da Juventude Revolução, viemos por meio desta nota nos solidarizar com os estudantes e professores da UFF – campus Goytacazes – que, no último dia 13, tiveram seus direitos violados e afirmar nosso total repúdio ao acontecido.

No último dia 13, após uma denúncia anônima de campanha ilegal dentro do campus, um policial militar – a serviço do TRE – arrombou a porta do Centro Acadêmico e abriu armários dos estudantes, apreendeu material dos alunos além de dar voz de prisão a um professor. No armário havia meia dúzia de materiais de campanha, que não configura, de forma alguma, qualquer tipo de irregularidade. O material estava guardado em armários pessoais. Sem mandato, o que também configura uma irregularidade da ação, o mesmo policial dizia não precisar da mesma afirmando que “o mandato sou eu”, em uma posição claramente autoritária. O professor Roberto Rosendo ( diretor da unidade ) e também o professor Hélio de Freitas Coelho foram ameaçados após se colocarem em defesa dos alunos e da autonomia universitária e cobrarem do policial o mandato judicial.

Tal ação representa a escalada do autoritarismo, nutrido pelas instituições apodrecidas do nosso país, que ferem a total liberdade e autonomia universitária, e o direito democrático de organização e manifestação política.

No início da semana, dia 10, dois militantes da Juventude Revolução passaram por meia hora de revistas e ofensas de policiais, claramente, por estarem com camisa da nossa organização e materiais do PT pela rua. Essa ações tem se repetido, frequentemente, em nosso dia a dia. Essa escalada do autoritarismo, tem como objetivo o ataque direto aos nossos direitos.

O Brasil tem passado por um processo de regressão em sua democracia. Hoje o principal candidato da juventude e dos trabalhadores está preso sem provas, vítima de uma perseguição política, orquestrada pelas instituições do nosso país, principalmente o nosso judiciário – lacaio dos interesses dos patrões -. Toda essa violação de direitos, que tem seu avanço maior com o golpe de 2016, se desenvolve ao ponto do aumento da militarização de nossas vidas, como vemos hoje com a falida intervenção militar no Rio de Janeiro. Não é um detalhe que o ocorrido que repudiamos seja na Universidade Federal Fluminense, no mesmo estado que passa por essa intervenção.

É preciso reconstruir esse país destruído pelo desgoverno golpista de Michel Temer. É preciso garantir que a democracia, nossas liberdades e nossos direitos sejam respeitados. É por isso que a candidatura do companheiro Haddad é tão importante para encontrarmos essa saída, pois o projeto de Haddad é o projeto de Lula, e o projeto de Lula é o projeto do PT, que defende regulamentar as mídias, desmilitarizar a PM, taxar grandes fortunas, passar o país a limpo com uma Assembléia Constituinte realmente democrática, onde o povo tenha voz e vez!

Haddad é Lula pra fazer constituinte!

Abaixo a truculência policial! Abaixo o Estado de Exceção no Brasil!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *