A defesa da soberania do povo haitiano é uma bandeira que a Juventude Revolução empunha há anos, e após a participação do Núcleo Volta Redonda no Ato Continental pela Retirada das Tropas da ONU do Haiti, realizado em São Paulo no ano passado, vimos que poderíamos reforçar os cordões impulsionando a criação de um comitê local para assim agregar outras organizações e pessoas que, mesmo com divergências em outros assuntos, acreditem como nós que as tropas devem ser retiradas imediatamente do Haiti e a ajuda deve ser dada pelas mãos de médicos, engenheiros, professores e técnicos. Sendo assim, no início de junho foi constituído o Comitê Volta Redonda “Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos”.

No dia 14/06 o comitê realizou sua primeira atividade, um cine-debate com os documentários “O que se passa no Haiti” de Kevin Pina (2007) e “Haiti: Estamos cansados” de Daniel Santos (2010), seguido de um resumo político da ocupação e a apresentação do comitê. Parte essencial é o evento ter sido realizado na Toca do Arigó, um importante espaço cultural de Volta Redonda, reunindo mais de 20 pessoas e mostrando para todos que o Haiti não foi esquecido embora não seja mais notícia importante para a mídia, trouxemos à tona as verdades sobre a ocupação que alguns já conheciam, as atrocidades que alguns desconfiavam existir, esclarecemos dúvidas, abrimos um importante espaço para nossa luta, tendo sido um grande passo para o compromisso do comitê em divulgar a real situação da ocupação do Haiti. (Leia abaixo a Declaração de Constituição do Comitê)

Além do Núcleo Juventude Revolução Volta Redonda, fazem parte do comitê: Ivone Correia (Artesã), Raí Freitas (Músico de Volta Redonda), Eduardo Freitas (Técnico Administrativo da Universidade Federal Fluminense-VR), Marcia Meirelles (advogada e integrante da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa) e a Pastoral Operária de Volta Redonda.

Da mesma forma que a Juventude Revolução, o Comitê se mantém financeiramente da venda de materiais sobre o Haiti e doações, mantendo sua independência financeira para assim poder manter sua independência política.

Renata Orlandi, é coordenadora do Núcleo da Juventude Revolução em Volta Redonda-RJ

Declaração do Comitê Volta Redonda

“Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos”

 Reunidos em Volta Redonda-RJ, Brasil, no dia 03 de junho de 2012, firmamos um compromisso de solidariedade militante com a soberania da nação negra do Haiti! Já são 8 anos de ocupação pela Minustah (“Missão da ONU para a estabilização do Haiti”), tropa comandada pelo contingente brasileiro, oito anos de mortes, exploração da mão de obra, repressão, violência sexual e até a introdução no país do vibrião do cólera. Nós não aceitamos que a soberania desse país, pioneiro na abolição da escravidão, seja roubada por soldados, sejam eles de qual nação forem, mas principalmente comandados pelo exército brasileiro.

A partir de hoje, nos constituímos em Comitê Local Volta Redonda “Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos” e em coro com comitês espalhados por todo o mundo, exigimos a Retirada Imediata das Tropas Brasileiras do Haiti! O Haiti precisa de médicos, engenheiros, professores e técnicos, não de soldados! Exigimos também: Cancelamento da dívida externa do Haiti! Restituição dos valores pagos e ressarcimento da dívida imoral da independência! Reparação às famílias vítimas do cólera e de violações dos direitos humanos!

Assumimos o compromisso de aumentar os cordões dessa batalha, mantendo contato direto com o Comitê Nacional “Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos”, divulgando a verdade sobre a Minustah e suas barbaridades através de debates, palestras, panfletagens, confecção de materiais e atos. Este é o nosso compromisso, pois defender o Haiti é defender a nós mesmos!

Comitê Volta Redonda “Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos” realiza sua primeira atividade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *