Nesta quarta (26 de abril), o núcleo da JR de Juiz de Fora (MG) realizou um protesto na Av. Presidente Costa e Silva, avenida onde fica a entrada da Universidade Federal de Juiz de Fora. Munidos de cartazes, os militantes lembravam os crimes cometidos pela ditadura militar.

Foi durante o governo ilegítimo de Costa e Silva que foi assassinado o estudante Edson Luis de Lima e Souto, secundarista do Rio morto no restaurante estudantil Calabouço em 1968 durante uma manifestação pelo preço da refeição. Como ele, foram pelo menos 27 mortos e desaparecidos políticos sob responsabilidade do presidente Costa e Silva, segundo a Secretaria Especial de Direito Humanos da Presidência da República. Foi também neste período que foram presos cerca de 800 a 1000 estudantes no Congresso da UNE de 1968 em Ibiúna (a entidade foi posta na ilegalidade pela ditadura).

Foi ainda Costa e Silva quem assinou o Ato Institucional Número 5 (AI-5), o qual endureceu ainda mais a repressão do regime militar, oficializando as prisões arbitrárias e abrindo caminho para que a tortura, que já era comum na ditadura, passasse a ser largamente utilizada. Além disso, dava poderes extraordinários ao presidente, inclusive o de decidir por revogar outros direitos da população – a ditadura já havia retirado a liberdade de se organizar em sindicatos e partidos, a liberdade de imprensa, entre outras.

Por isso, é um absurdo que ruas, praças, prédios públicos continuem carregando o nome deste e outros ditadores que cometeram tantos crimes contra o povo brasileiro.

No início da semana, o núcleo de Juiz de Fora já havia realizado uma colagem com os cartazes nacionais da JR que pedem a punição aos torturadores e assassinos. Assim como em Santa Catarina, estes cartazes foram alvos de provocações reacionárias. Mas nós vamos continuar com esta exigência, até que tenha sido feita a justiça em nome dos jovens e trabalhadores vítimas da ditadura!

Priscilla Chandretti, militante da JR-IRJ em Juiz de Fora

Em Juiz de Fora, protesto contra homenagem a presidente da Ditadura Militar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *