O governador Marconi Perillo (PSDB) iniciou o ano de 2014 organizando uma clara ofensiva à democracia e aos direitos estudantis. Dez escolas do Estado de Goiás já foram entregues à administração da Policia Militar e a tendência é que mais escolas passem por esse processo ainda este ano.

Os alunos que quiserem continuar a estudar em um desses colégios terão de desembolsar cerca de 350 reais de uniforme, livros que chegam a custar 300 reais cada, sem falar na taxa de inscrição e mensalidade que varia de 50 a 60 reais. Esse sistema pago na “escola pública” só privilegia ainda mais as escolas privadas e põe de lado o Ensino Público que fica a mercê da negligência por parte do Governo.

Na visita que fizemos a dois colégios militarizados (Colégio Estadual Fernando Pessoa e Colégio Militar José de Alencar), eu como diretor da UBES e os militantes da Juventude Revolução, a direção das escolas militares criou bastante restrições para podermos articular a construção de um grêmio estudantil.

A primeira exigência era que raspássemos o cabelo, vestíssemos roupas sociais e batêssemos continência; a segunda era que só poderia ser formado um grêmio que tivesse enormes limitações na hora de organizar qualquer tipo de manifestação, sem poder sequer fazer abaixo assinado, contrariando a lei de grêmios livres, que nos dá direito à livre organização.

Os colégios estaduais, sobretudo nas periferias, possuem problemas estruturais, pedagógicos e a cada dia que passa o descaso com a área da Educação aumenta, assim como o descaso com a segurança pública, diante da ausência de políticas de educação e lazer para a juventude.

Esse abandono do governo do PSDB serve agora como pretexto para que esse mesmo Governo ataque os direitos democráticos e entregue as nossas escolas nas mãos da Polícia Militar, instituição herdada da Ditadura, que mata e reprime milhares de jovens da periferia, levando também a repressão para dentro dos muros das escolas.

Durante as manifestações de 2013 a juventude deixou claro que não aceitará que resquícios da Ditadura Militar continuem em nosso cotidiano. A militarização é uma demonstração clara de que o Governo Perillo não tem interesse algum de investir de fato na Educação Pública para que se torne de qualidade.

A Juventude Revolução não ficará quieta diante desse fato. Buscaremos ajudar os estudantes a organizar grêmios que lutem e conscientizem a juventude a resistir a essa ofensiva! Não aceitamos a militarização das escolas. Queremos nossas escolas públicas de volta, sem militarização. E queremos também a desmilitarização da PM. É hora de unirmos forças entre todas as entidades e organizações populares e estudantis para resistir a essa ofensiva pela militarização da educação da juventude em Goiás!

Victor Caíque, militante da JR em Novo Gama-GO e diretor da UBES

Governo do PSDB entrega escolas para Polícia Militar em Goiás!