Após o vitorioso Ato Continental pela retirada das tropas da ONU do Haiti, que ocorreu no final do ano passado em SP, com a presença de mais de 600 pessoas de vários estados e de 11 países diferentes, agora a JR, em conjunto com outras organizações prepara a Jornada Continental pela retirada das tropas da ONU, que ocorrerá no dia 1º de junho de 2012.

No Haiti, a resistência contra a presença das tropas cresce. Em fevereiro, o presidente Michel Martelly, fantoche dos EUAs, empossado após uma eleição completamente fraudada, chegou a ser apedrejado pela população.

Pouco antes, Martelly recebeu a visita da presidente Dilma, que foi ao Haiti declarar seu compromisso com a manutenção da ocupação. Dilma declarou que a ocupação é “motivo de orgulho para o Brasil  e os brasileiros”.

Pelo contrário, este verdadeiro ataque à soberania do povo negro haitiano, primeiro das Américas a conquistar a independência de sua nação frente ao imperialismo francês, não pode ser admitido pelo povo brasileiro.

É o que explica a carta do “Coletivo de mobilização pela reparação das vitimas do cólera” entregue a Dilma no Haiti em que afirmam “achamos muito importante que os dirigentes brasileiros deixem de enganar o povo brasileiro a respeito do papel da Minustah (tropas da ONU). É importante que o povo brasileiro saiba que a Minustah está no Haiti para proteger os interesses capitalistas, sobretudo das empresas transnacionais. Por isso apelamos a Senhora Presidente a retirar imediatamente e de uma só vez, as tropas brasileiras do Haiti. Senhora presidente é de fundamental importância deixar claro que o Haiti é um país soberano que jamais se ajoelhará frente a uma força invasora”.

Dois anos após o terremoto que devastou boa parte do país, quase 1 milhão de haitianos estão desabrigados e o desemprego atinge cerca de 80% da população. Dos 4 bilhões de dólares doados para “ajuda humanitária”, apenas 1% foi investido em programas sociais e o resto foi para pagar salários de funcionários das ONG´s de outros países. Todo esse dinheiro foi depositado no fundo administrado pela Comissão Interina para Reconstrução do Haiti (CIRH), dirigida pelo ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, conhecido inimigo dos povos.

E a cada dia surgem mais denúncias de atos de violência causados pelas tropas da ONU (Minustah), agravados por recentes acontecimentos em que soldados brasileiros são acusados de maus-tratos a jovens haitianos.

O povo haitiano luta para expulsar as tropas da ONU e defender-se das consequências de sua presença no país – como a superexploração dos trabalhadores feita pelas multinacionais nas zonas francas.

Para ajudar ao povo haitiano, organizamos a Jornada Continental. Afirmamos que as tropas da ONU, comandadas por tropas brasileiras devem ser retiradas! A começar pelo Brasil, onde Dilma tem a responsabilidade.

Os núcleos da JR estão engajados na constituição de comitês, convidando amplamente entidades, organizações e militantes a tomarem parte nessa luta. Essa é uma batalha que levaremos até o fim! Afinal, defender o povo negro e irmão do Haiti é defender a nós mesmos! Junte-se a nós nessa luta! Se informe e participe dos comitês na sua cidade!

Joelson Souza e Priscilla Chandretti, são membros do Conselho Nacional da JR

HAITI: organizar a Jornada Continental pela retirada das tropas da ONU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *