No Distrito Federal (DF) ocorreu, uma atividade de formação sobre a questão negra no Brasil e os problemas políticos relacionados com o tema. O informe foi apresentado por Ricardo Cavalcanti, militante da Juventude Revolução e estudante de pedagogia na Universidade de Brasília.

Foi apresentado para os participantes os principais problemas advindos do racismo estrutural, o informante focou um pouco do informe para explicar a situação que vivemos e como isso reflete na vida do jovem negro/negra da periferia.

Discutimos a relação existente entre a questão racial e a luta de classes, chegamos a um consenso na atividade que não podemos esvaziar a discussão colocando em pauta somente a questão racial, temos que levar a discussão para os nossos bairros sempre fazendo esse link e explicando para todos aqueles que estão ao nosso alcance, essa relação existente. Focar em como o sistema capitalista usou os negros e hoje vivemos resquícios desse tratamento. Portanto, foi assim que o racismo estrutural se consolidou nas sociedades contemporâneas, aprofundando todos os problemas que envolvem a população negra.

Problemas como por exemplo, os negros ganharem menos, a população carcerária ser majoritariamente negra, negros minoria nas universidades e maioria nos subempregos. Temos que mostrar que tudo tem um motivo.

Analisamos os dados que apontam que os negros continuam morrendo diariamente na periferia, a importância da desmilitarização da polícia militar, continua sendo uma das principais pautas da nossa organização e essa atividade cumpre o papel de conseguimos nos aprofundar nessa discussão para que possamos ocupar os espaços onde os negros e negras estão.

Ao final da atividade foi deliberada tarefas para que os núcleos possam se organizar e difundir a política discutida no maior número de espaços possíveis.

Para finalizar, se faz necessário que, como organização, os militantes de todo o Brasil, movimentem essa questão e se aprofundem no tema para garantir uma intervenção concreta em todos os espaços possíveis. Manter esse tipo de atividade é essencial em cada grêmio, CA e DCE que ocupamos para mostrar que é em unidade que vamos conseguir vencer qualquer atitude racista e derrubar esse sistema capitalista em que o racismo é uma outra face dessa moeda.

Pedro Moraes – militante da Juventude Revolução do DF

JR no DF faz formação sobre questão negra
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *