Vitória: Jovens presos em Parintins (AM) por defender Lula foram soltos

Vitória: Jovens presos em Parintins (AM) por defender Lula foram soltos

Os 4 militantes da Juventude Revolução, um deles menor de idade, detidos porque picharam “Eleição sem Lula é fraude” em muros de terrenos baldios na noite de domingo (21) em Parintins foram soltos por volta das 12:00 de hoje. Após serem mantidos presos na 3ª Delegacia de Polícia de Parintins ao longo da noite, Wesley, Elvis, Alfredo e Alex assinaram Termo de Conduta e foram liberados. Agradecemos a solidariedade de todos os militantes, organizações, partidos, dirigentes, blogs que, de imediato, responderam ao nosso apelo. As diversas mensagens e ligações foram fundamentais para que esse absurdo cometido contra os jovens não se prolongasse e eles fossem libertados. Mais que nunca: Eleição sem Lula é fraude! Esse tipo de ação da PM, herança da ditadura, não nos intimidará! O Estado de Exceção instalado após o golpe quer impedir a liberdade de organização e manifestação, mas não conseguirão. Enganam-se os que pensam que isso intimidará a mobilização em curso pelo direito de Lula ser candidato. Nenhum passo atrás! Agora, é aumentar preparação dos atos dia 24 com pichações, colagem de lambes, panfletagem em todo país! Lula do Partido dos trabalhadores é nosso candidato! Junte-se nesta luta! Eleição sem Lula é fraude! Rodrigo Lantyer, pelo Conselho Nacional da Juventude Revolução.

URGENTE! Liberdade aos 4 jovens presos de Parintins-AM por defender Lula!

URGENTE! Liberdade aos 4 jovens presos de Parintins-AM por defender Lula!

Por pichação a favor de Lula, quatro jovens da JR são presos em Parintins (AM) Na noite de domingo, 21.01, a PM de Parintins (AM) prendeu quatro militantes da Juventude Revolução – um deles menor de idade – porque picharam “Eleição sem Lula é fraude” em muros de terrenos baldios da cidade. De acordo com informações do companheiro Gustavo Passaneli, da executiva municipal do PT de Parintins, os quatro foram levados à Terceira Delegacia de Polícia de Parintins por um contingente de nada menos que 10 policiais fortemente armados e passaram a noite presos, não tendo sido liberados até este momento (10h00 da segunda-feira, 22.01, horário de Brasília). Ilegalmente, uma página no facebook de “apoio a PM”  expôs fotos dos jovens em sua página facebook permitindo sua completa identificação, ao contrário do que faz em outras situações, quando o rosto de pessoas detidas é borrado: mais um episódio do estado de exceção em que mergulham o país, às vésperas do julgamento de Lula pelo TRF-4 em Porto Alegre, provável farsa judicial, que ocorrerá no dia 24. Também publicamente, no mesmo facebook, se fez uma acusação falsa, afirmando que as pichações foram feitas na Igreja São Benedito quanto, na realidade, ocorreram em muros de terrenos baldios ou prédios abandonados da cidade, todos de particulares. É urgente a manifestação de solidariedade e a exigência de libertação imediata dos quatro companheiros Wesley, Elvis, Alfredo e Alex. Liberdade já! Rodrigo Lantyer, pelo Conselho Nacional da Juventude Revolução Envie moções e mensagens exigindo a liberdade ouvidoriadeseguranca@bol.com.br. Whatsapp PM 92-9-92707803 e 92-9-9318-8848 Telefone da Delegacia: 92-3533-4197  

Eleição sem Lula é Fraude! Todos a Porto Alegre e às ruas no dia 24

Eleição sem Lula é Fraude! Todos a Porto Alegre e às ruas no dia 24

A Juventude Revolução se dirige a cada jovem com quem compartilhamos a resistência ao golpe e a luta por “Fora Temer” no último período para fazer um chamado: vamos ocupar as ruas de Porto Alegre e de todo o país no dia 24 de janeiro para defender Lula, a democracia, os direitos e a soberania nacional. Nada é mais importante neste momento. É a tarefa da hora! Desde o início do golpe vivemos um período grave de retirada de direitos e retrocessos. Cortes brutais na educação pública, privatizações, entrega do pré sal, reforma trabalhista e ameaça da reforma da previdência. Aumento do genocídio da juventude negra, ameaça de ampliar a criminalização do aborto, entre outros ataques. A cada dia se amplia o estado de exceção, no qual o conjunto das instituições políticas apodrecidas atentam contra o povo. O judiciário em particular avança suas tentativas constantes de criminalizar os movimentos sociais, destruir os partidos e organizações populares e minar a resistência popular. O objetivo de tudo isso é atender os interesses do capital financeiro, dos especuladores, dos latifundiários às custas do sofrimento da juventude e do povo trabalhador. Apesar dessa ofensiva nós resistimos! Seja através das ocupações de escola e universidades, da greve geral em abril de 2017, das manifestações de massas ou nas escolas, faculdades e locais de trabalho. Essa resistência – que tem que continuar – dividiu a cúpula golpista, obrigou o governo a sucessivos adiamentos da votação da reforma da previdência e produziu uma saída política concreta para a situação: a eleição de Lula, do PT, presidente, com o compromisso de revogar as medidas dos golpistas, o que para nós implica na convocação de uma assembleia Constituinte soberana, que além disso permita avançar para fazer as reformas de fundo como a reforma agrária, urbana, a desmilitarização do PM e a legalização do aborto, a reestatização do que foi privatizado etc. Não por acaso Lula cresce nas pesquisas e milhares participam das caravanas que já passaram por vários estados do nordeste, além de Minas, Rio e Espirito Santo. Também não por acaso Lula e o PT são o alvo principal da perseguição do judiciário, que não economiza forças para prosseguir o golpe. Marcado em tempo recorde para o dia 24 de janeiro, o julgamento em segunda instancia deve provavelmente condenar Lula, mesmo sem provas, numa tentativa de torna-lo inelegível e facilitar a aprovação da reforma da previdência, marcada para ser votada no dia 19 de fevereiro. Ao condenar Lula eles esperam que o povo aceite o resultado dessa farsa em forma de julgamento para prosseguir a pilhagem da nação e a retirada de direitos, pavimentando a eleição de algum candidato que prossiga e aprofunde os ataques contra o povo. É exatamente isso que não podemos e não vamos permitir! Por isso convocamos todos os jovens a se somar a essa batalha no dia 24 e depois. Qualquer que seja o resultado do “julgamento” caberá recursos jurídicos, mas principalmente, nós reafirmaremos: Eleição sem Lula é fraude! Condenado pela farsa jurídica

Audiência Pública sobre PIBID em Florianópolis

Audiência Pública sobre PIBID em Florianópolis

Na segunda-feira, 4 de dezembro, a Juventude Revolução e a União Catarinense das e dos Estudantes (UCE) participaram de uma audiência pública sobre o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência – PIBID que ocorreu na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. O evento foi convocado pela deputada petista Luciane Carminatti  e tinha como objetivo levar um posicionamento sobre o cancelamento do programa e a substituição por uma alternativa que não representa o necessário para a boa formação de profissionais da educação. Recentemente o MEC apresentou um projeto de reformulação do programa de formação de professores chamado Residência Pedagógica. A Residência Pedagógica representa mais um passo na precarização da formação de professores e por consequência da educação brasileira. Ela muda o caráter de integração universidade-escola do programa já em vigor, além de tratar o PIBID somente como um programa de bolsas, ignorando o valores que o mesmo carrega. Anterior à audiência, ocorreu um ato em frente à Alesc onde os estudantes de licenciatura e apoiadores manifestaram sua insatisfação com o sucateamento das ferramentas educacionais dispostas e pelo desmonte da educação. Os estudantes de licenciatura da UFSC levaram como reivindicações principais a prorrogação do edital do PIBID de 2013 e o aumento do número de bolsas. O evento oficial contou com a intervenção de entidades estudantis – DCE e CA’s da UFSC, além da UCE -, com organizações do movimento estudantil, estudantes secundaristas e pibidianos de diferentes cursos e cidades do estado. O PIBID existe desde 2009 e se apresenta como o melhor programa prático de formação de docentes, contando com mais de 70 mil bolsas e 5 mil escolas conveniadas no Brasil. A possível extinção do programa acarretará na fragilização da permanência de estudantes no ensino superior, na má formação de futuros professores e no rompimento da conexão necessária entre universidade e escola pública. Nós sabemos o plano dos golpistas para a educação: a destruição do ensino público, a retirada de pensamento crítico dos estudantes e a produção de mão de obra barata. O investimento que será feito na Residência Pedagógica deve ser destinado ao melhoramento e ampliação do PIBID. Enfatizamos também a importância das entidades estudantis de representação, UNE e UCE, se posicionarem em defesa dos estudantes e que essas devem cumprir seu papel histórico e continuar mobilizando para a luta. Não há horizonte de mudança política com as instituições apodrecidas que estão no comando do país. O que nos resta é eleger um presidente com respaldo popular para convocar uma constituinte que revogue as reformas feitas por Temer e sua corja e mantenha os programas educacionais, o caráter público da universidade, qualidade na formação de professores e a soberania do povo brasileiro. E esse candidato tem nome: Luiz Inácio, Lula do partido dos trabalhadores!! Raissa Lira –  militante da Juventude Revolução de Florianópolis Leia outras materias da Juventude Revolução sobre o mesmo assunto: O PIBID não cabe no Brasil do golpe

Juventude Revolução realiza sua Plenária Nacional

Juventude Revolução realiza sua Plenária Nacional

Nos dias 21 e 22 a Juventude Revolução realizou em Brasília – DF a sua Plenária Nacional, que reúne coordenadores de núcleos por todo o país, para debater as principais tarefas diante da situação política, para avançar na luta em defesa da juventude em conjunto com classe trabalhadora e suas organizações. Preservando a sua independência política para discutir as necessidades da juventude, a PNJR foi totalmente autofinanciada, os delegados fizeram arrecadações nos estados para garantirem a participação na atividade.

SP não está à venda! Plebiscito já!

SP não está à venda! Plebiscito já!

Começou na última sexta feira a coleta de assinaturas por um plebiscito oficial sobre as privatizações e concessões na cidade de São Paulo. Em poucas horas mais de 1500 pessoas assinaram. O objetivo é conseguir mais de 160 mil assinaturas para dar entrada com o pedido na câmara municipal. A coleta é impulsionada pela campanha “SP não está à venda”, que reúne diversas entidades e organizações do movimento sindical, estudantil e popular, que organizaram a ocupação da câmara no mês passado. A JR tem participado ativamente desta luta. Uma luta que vem em resposta às intenções do prefeito João Dória de vender a cidade de São Paulo. Dória, além de congelar gastos com a cultura, cortar da saúde e da educação, cortar merenda, leite das crianças e tentar fechar as farmácias da UBSs e AMAs, já enviou pelo menos três projetos à câmara para que seja autorizado a privatizar ou fazer concessões dos mais diversos serviços e patrimônios públicos, agindo como se fosse o dono da cidade. Na mira do prefeito para a privatização estão parques, mercados municipais, terrenos com até 10 mil metros quadrados, terminais de ônibus, diversos imóveis e outros. Entre os mais escandalosos está a intenção de privatização do sistema de bilhetagem eletrônica da cidade. É com esse sistema que a prefeitura contabiliza o número de passageiros de ônibus e faz o repasse às empresas de transporte referente a usuários que tem passe livre ou outros direitos. Colocar uma empresa para tomar conta desse setor é como colocar a raposa para tomar conta do galinheiro. Há ainda a tentativa de entregar para a iniciativa privada o serviço funerário da cidade. Funcionando como uma autarquia, o serviço funerário garante a quem não pode pagar o direito ao enterro gratuito e é um dos poucos setores da prefeitura que é superavitário, embora sofra com o atraso da prefeitura em convocar trabalhadores concursados e com a falta de segurança. O prefeito prepara a concessão do serviço para entregar a algum empresário o direito de lucrar com a morte do paulistano. O prefeito que vendeu sua imagem ao povo como “gestor” e não político (aham!) quer agora vender toda a cidade se livrando da responsabilidade de administrar. É aliás o que faz enquanto viaja pelo país recebendo “homenagens” para alavancar sua candidatura a presidente e oferecer a empresários do país e do mundo, na bacia das almas, a cidade de SP. Quem perderá com isso é a população que sustenta os serviços públicos da cidade com o pagamento de impostos e ainda terá, em caso de privatização, pagar outra vez para acessar estes serviços. E se é verdade que Dória foi eleito falando em privatizar alguns setores, com 3.085.187 votos, lembremos que a soma de votos nulos, brancos e abstenções ultrapassa esse número (3.096.304) fora o voto em outros candidatos. Nada mais justo então que consultar a população sobre suas intenções, já que o que está em jogo é o próprio futuro do povo da cidade. Caso aprovado o plebiscito na

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

A Juventude Revolução participou da Audiência Pública realizada dia 30/08 pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para discutir o caso de Rafael Braga. Trata-se do único “preso político” das manifestações de junho de 2013. Ele foi condenado injustamente sobre a suposta acusação de porte de material inflamável. O material em questão era o pinho sol e uma agua sanitária, produtos de limpeza. Rafael não estava sequer participando da manifestação. Ao cumprir a pena em semiaberto, ocorreu a segunda prisão por porte ilegal de drogas, uma quantidade ínfima e implantada pela própria PM , foi baseada apenas no depoimento dos policiais. A justiça se recusou a ouvir o depoimento das testemunhas. Enquanto isso, o dono do helicóptero que carregava 450 kg de cocaína está solto e bem longe de ser preso. Rafael Braga sofre maus tratos e está em um quadro grave de saúde , foi encarcerado injustamente em uma prisão racista e arbitrária . Rafael é mais uma vítima do estado racista que promove o genocídio da população negra e pobre. A polícia militarizada, herança da ditadura militar, atua como uma máquina de guerra , que quando não mata, encarcera toda juventude negra, sobre condições desumanas e em presídios superlotados. Nós da Juventude Revolução além de lutar pela desmilitarização da PM, nos somamos à luta pela liberdade para Rafael Braga. Livia Cairus, tesoureira do DCE UnB e militante da JR.