SP não está à venda! Plebiscito já!

SP não está à venda! Plebiscito já!

Começou na última sexta feira a coleta de assinaturas por um plebiscito oficial sobre as privatizações e concessões na cidade de São Paulo. Em poucas horas mais de 1500 pessoas assinaram. O objetivo é conseguir mais de 160 mil assinaturas para dar entrada com o pedido na câmara municipal. A coleta é impulsionada pela campanha “SP não está à venda”, que reúne diversas entidades e organizações do movimento sindical, estudantil e popular, que organizaram a ocupação da câmara no mês passado. A JR tem participado ativamente desta luta. Uma luta que vem em resposta às intenções do prefeito João Dória de vender a cidade de São Paulo. Dória, além de congelar gastos com a cultura, cortar da saúde e da educação, cortar merenda, leite das crianças e tentar fechar as farmácias da UBSs e AMAs, já enviou pelo menos três projetos à câmara para que seja autorizado a privatizar ou fazer concessões dos mais diversos serviços e patrimônios públicos, agindo como se fosse o dono da cidade. Na mira do prefeito para a privatização estão parques, mercados municipais, terrenos com até 10 mil metros quadrados, terminais de ônibus, diversos imóveis e outros. Entre os mais escandalosos está a intenção de privatização do sistema de bilhetagem eletrônica da cidade. É com esse sistema que a prefeitura contabiliza o número de passageiros de ônibus e faz o repasse às empresas de transporte referente a usuários que tem passe livre ou outros direitos. Colocar uma empresa para tomar conta desse setor é como colocar a raposa para tomar conta do galinheiro. Há ainda a tentativa de entregar para a iniciativa privada o serviço funerário da cidade. Funcionando como uma autarquia, o serviço funerário garante a quem não pode pagar o direito ao enterro gratuito e é um dos poucos setores da prefeitura que é superavitário, embora sofra com o atraso da prefeitura em convocar trabalhadores concursados e com a falta de segurança. O prefeito prepara a concessão do serviço para entregar a algum empresário o direito de lucrar com a morte do paulistano. O prefeito que vendeu sua imagem ao povo como “gestor” e não político (aham!) quer agora vender toda a cidade se livrando da responsabilidade de administrar. É aliás o que faz enquanto viaja pelo país recebendo “homenagens” para alavancar sua candidatura a presidente e oferecer a empresários do país e do mundo, na bacia das almas, a cidade de SP. Quem perderá com isso é a população que sustenta os serviços públicos da cidade com o pagamento de impostos e ainda terá, em caso de privatização, pagar outra vez para acessar estes serviços. E se é verdade que Dória foi eleito falando em privatizar alguns setores, com 3.085.187 votos, lembremos que a soma de votos nulos, brancos e abstenções ultrapassa esse número (3.096.304) fora o voto em outros candidatos. Nada mais justo então que consultar a população sobre suas intenções, já que o que está em jogo é o próprio futuro do povo da cidade. Caso aprovado o plebiscito na

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

A Juventude Revolução participou da Audiência Pública realizada dia 30/08 pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para discutir o caso de Rafael Braga. Trata-se do único “preso político” das manifestações de junho de 2013. Ele foi condenado injustamente sobre a suposta acusação de porte de material inflamável. O material em questão era o pinho sol e uma agua sanitária, produtos de limpeza. Rafael não estava sequer participando da manifestação. Ao cumprir a pena em semiaberto, ocorreu a segunda prisão por porte ilegal de drogas, uma quantidade ínfima e implantada pela própria PM , foi baseada apenas no depoimento dos policiais. A justiça se recusou a ouvir o depoimento das testemunhas. Enquanto isso, o dono do helicóptero que carregava 450 kg de cocaína está solto e bem longe de ser preso. Rafael Braga sofre maus tratos e está em um quadro grave de saúde , foi encarcerado injustamente em uma prisão racista e arbitrária . Rafael é mais uma vítima do estado racista que promove o genocídio da população negra e pobre. A polícia militarizada, herança da ditadura militar, atua como uma máquina de guerra , que quando não mata, encarcera toda juventude negra, sobre condições desumanas e em presídios superlotados. Nós da Juventude Revolução além de lutar pela desmilitarização da PM, nos somamos à luta pela liberdade para Rafael Braga. Livia Cairus, tesoureira do DCE UnB e militante da JR.

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

O Brasil sofreu um golpe para destruir os direitos e atacar a soberania nacional. A educação teve o investimento limitado por 20 anos e sofreu graves cortes orçamentários, o Ensino Médio teve reforma que retirou conteúdos, os trabalhadores sofrem com a aprovação da reforma trabalhista e toda a nação é ameaçada com o plano anunciado de privatizações. Temer, o congresso e o judiciário, rezando a cartilha do capital financeiro querem avançar sobre todos os nossos direitos e conquistas, impedindo a juventude de ter direito a um futuro digno! Mas a luta da juventude em 2016 com centenas de ocupações de escolas e mobilizações, a greve geral de abril dos trabalhadores e suas organizações mostraram a disposição de resistência, que apesar das dificuldades, precisa prosseguir. Só através da luta é que poderemos defender nossos direitos!

O passe livre fica! SP não está a venda!

O passe livre fica! SP não está a venda!

No dia 09 de agosto, a Juventude Revolução, em conjunto com os movimentos sociais, culturais e os estudantes da cidade de São Paulo, ocuparam por 48h a câmara municipal de São Paulo para dar um recado ao Prefake João Dória: Não aceitamos que venda nossa cidade e muito menos que prive a juventude de ter acesso a ela. A ocupação teve como centro a luta contra os PL’s de privatizações do governo Dória e também contra as recentes mudanças implementadas pela gestão ao passe livre estudantil, que priva a juventude de realizar, utilizando o passe livre, qualquer tarefa extracurricular, como ir ao museu, teatro, biblioteca, estágio, etc.

Em SP, JR realiza seminário do Movimento estudantil

Em SP, JR realiza seminário do Movimento estudantil

A JR Paulista, neste ultimo sábado(29), realizou no sindicato dos petroleiros um seminário do movimento estudantil. Que teve como texto base o manifesto de Córdoba, passou pela discussão da história do ensino superior e do movimento estudantil no brasil e concluiu o dia com a explanação sobre as entidades estudantis (CA´s, DA’s, DCE´s, UNE, UBES, UEE, etc) e encaminhando a luta prática para o Próximo período.

Cine-debate no Capão Redondo em SP discute situação da educação

Cine-debate no Capão Redondo em SP discute situação da educação

Racionais MC’s, genocídio da juventude preta e periférica, miséria e desigualdade social. Essas são as imagens que muitas pessoas imaginam ao ouvir sobre bairro Capão Redondo. A realidade dos moradores do Capão não é exclusividade do distrito em questão, já que muitas regiões da cidade, do estado e do país, passam pelo mesmo problema. Um sistema que oprime, marginaliza e mata milhões de trabalhadores no mundo, o capitalismo.

JR no DF faz formação sobre questão negra

JR no DF faz formação sobre questão negra

No Distrito Federal (DF) ocorreu, uma atividade de formação sobre a questão negra no Brasil e os problemas políticos relacionados com o tema. O informe foi apresentado por Ricardo Cavalcanti, militante da Juventude Revolução e estudante de pedagogia na Universidade de Brasília. Foi apresentado para os participantes os principais problemas advindos do racismo estrutural, o informante focou um pouco do informe para explicar a situação que vivemos e como isso reflete na vida do jovem negro/negra da periferia.

Delegações UNE É PRA LUTAR se dirigem pra CONUNE em BH

Delegações UNE É PRA LUTAR se dirigem pra CONUNE em BH

Acontece durante os dias 14-18 de junho, em BH, o 55º Congresso da União Nacional dos Estudantes (CONUNE). A UNE completa 80 anos em 2017 e tem uma tarefa muito importante neste momento grave, se colocando a serviço da resistência. Com 80 delegados eleitos na base, e dezenas de observadores, as delegações UNE é pra Lutar! começam a sair dos seus estado e algumas já começam a chegar, como é o caso das delegações de Alagoas, Bahia e Espírito Santo. Durante o resto do dia e nos próximos dias, estão previstas as chegadas de mais delegações de todos os estados que fizeram o combate tanto para a eleger os delegados quanto para garantir a presença no congresso através de arrecadações independentes de partidos, ONGs, empresas, afinal, quem paga a banda escolhe a música e para colocar a UNE pra lutar, ela tem que tocar sua própria música! A crise política se aprofunda. Os golpistas se uniram para tirar a presidente Dilma (PT) do poder, mas depois da demonstração de força da classe trabalhadora na greve geral do dia 28 de abril, se desentendem sobre quem deve governar, Michel Temer ou outro, pois não sabem quem tem as condições de prosseguir as reformas e retirada de direitos, o principal objetivo do golpe. Seguem com a disposição, entretanto, de atropelar os direitos de estudantes e trabalhadores. Mesmo nas cordas, mesmo chafurdados na lama, Temer e o congresso avançam sobre os direitos estudantis, dos trabalhadores e sobre a soberania nacional, atendendo aos interesses do capital internacional, enquanto o Judiciário atropela a democracia e avança um estado de exceção no Brasil. É com este entendimento, pela defesa dos direitos, pelo Fora Temer, Diretas já e Constituinte pra mudar, que a tese UNE é pra lutar!, impulsionada pela Juventude Revolução, vai fazer o combate dentro do CONUNE. Serão 5 dias de discussão política e construção de um movimento estudantil forte e a serviço da resistência contra o golpe! PH – Militante da JR-AL Ao longo do congresso estaremos atualizando o álbum.   Participação da Juventude Revolução no 55º Congresso da União Nacional dos Estudantes.O CONUNE acontece num grave… Publicado por Juventude Revolução em Quarta, 14 de junho de 2017