No dia 24/05, a Juventude Revolução da Faculdade de Ceilândia – UnB realizou a atividade “Por que o Processo do Lula é tão questionável?” com a participação da Professora Dra Silvia Badim.

O debate se inicia com a reflexão do por que que um modelo de Estado que também se interessa com os direitos básicos das massas gera tanto ódio da classe média e das famílias ricas do nosso país, o por que que a imagem do presidente Lula gera esse tamanho ódio.

A partir dai, levamos a discussão para uma análise histórica da política do Brasil, que desde a colonização o poder se concentra nas mãos das oligarquias, onde os brancos e ricos detém o capital e participam dos grandes momentos históricosdo país (Proclamação da República, Golpe de 1964, Golpe de 2016, e etc.), e tudo isso através da grande exploração das massas.

E mesmo após a redemocratização do país, nada mudou. Quem foi Sarney? Collor? Fernando Henrique Cardoso?

E pela primeira vez em sua história, em 2002, o Brasil elege um candidato do povo, nordestino da classe operária, que mobiliza as massas, um candidato que estava pronto para atender as reivindicações do povo que é vítima dessa lógica imperialista que assola todo o mundo.

Lula atendeu aos movimentos sociais e isso a elite não iria engolir (expansão das universidades e do seu acesso, criação de cotas, Programa Minha Casa Minha Vida, Fome Zero/Bolsa Família, dentre outros).

Após o Golpe de 2016 contra a presidenta Dilma, o governo golpista, liderado por Michel Temer, rasgou a constituição e deu início a ataques severos aos direitos do povo, como a reforma trabalhista e do ensino médio, a PEC do teto de gastos que promove o sucateamento do sistema público, a intervenção militar no Rio de Janeiro, a entrega da Petrobras ao sistema privado, sobretudo estrangeiro, dentre outros absurdos cometidos por esse governo que não representa a vontade da maioria. E agora em 2018, ano que Lula absolutamente seria reeleito pela vontade dos brasileiros, a elite desse país por não ter um candidato que tenha chances de se eleger busca tirar o presidente das eleições com uma prisão que nada mais é do que um espetáculo midiático, embasado num processo absurdo sem provas.

O debate foi muito produtivo e nos deu mais certeza de que não temos plano B. Temos o dever de partir em direção à garantir que Lula se candidate e vença as eleições nas urnas em outubro, e que convoque uma assembléia constituinte para varrer as reformas impostas pelo governo golpista e realizar as reformas que precisamos.

A partir da discussão, para organizar a luta daqui em diante que mais jovens toparam construir o 15º Encontro Nacional da Juventude Revolução nos dias 20, 21 e 22 de julho, em São Paulo.

É Lula Livre, é Lula Presidente que o povo quer!

 

Julio César – Militante da Juventude Revolução DF

 

Jovens debatem na faculdade de Ceilândia da UNB: Lula livre! Lula presidente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *