Desde sexta-feira passada aconteceram atos políticos nas ruas de Asunción, capital do Paraguai. O povo paraguaio tem comparecido às ruas para protestar contra o golpe de Estado que destituiu o presidente Fernando Lugo. Lugo foi eleito em 2008 pelo voto popular que tirava do poder o Partido Colorado depois de 61 anos ininterruptos, um partido de direita vinculado à Internacional Democrática, da qual no Brasil o DEM é filiado.

Um dos atos contou com a participação de centenas de jovens no dia 23 à noite.

O golpe de Estado sofrido por Fernando Lugo tem característica especial. Não foi um golpe abertamente organizado pelo exército, como de costume no continente, mas um golpe político organizado pelo Senado do país, com um apoio explicito do Imperialismo dos EUA, que em poucas horas disse reconhecer o golpista Franco. Acusam Lugo de “mau desempenho” após conflito no campo em que morreram 11 sem terras e 6 policiais. A oligarquia acusa Lugo de “submeter militares” aos sem-terra. Ou seja, querem continuar matando trabalhadores rurais impunemente.

O conflito nos faz lembrar que a reforma agrária é uma necessidade no Paraguai, Brasil e todo o continente.

O golpe no Paraguai serve como um aviso. Depois do golpe no Haiti, Honduras e o golpe fracassado na Venezuela na década passada nos obriga a ficar atentos. Por mais que o fascismo pareça improvável no continente atualmente, se a moda pegar a situação pode ficar mais complicada para os povos da América Latina.

Uma questão que não podemos deixar de observar é que Lugo sofreu o golpe dos próprios “aliados” vindos dos setores oligárquicos e patronais no país, como o próprio vice-presidente Federico Franco (Partido Liberal Radical Autêntico), que conta com apoio dos latifundiários e do imperialismo dos EUA. Na verdade, como sempre, “amigos-da-onça” e golpistas de primeira hora! O que demonstra a necessidade de uma política que garanta a independência do povo trabalhador do continente do campo e da cidade, rompendo com a submissão ao imperialismo e os falsos aliados!

– Todo apoio ao povo paraguaio!

– Não aceitamos o golpe no Paraguai!

– Que Dilma rompa relações diplomáticas com o Paraguai e não reconheça um governo golpista.

Marcius Sidartha, é militante da JR no Distrito Federal

Todo apoio ao povo Paraguaio contra o Golpe! Jovens paraguaios também protestam!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *