O governador de Goiás Marconi (PSDB) anunciou esse ano um projeto de privatização de escolas públicas através de Organizações Sociais (OS’s) e a pretensão de expandir o número de escolas militarizadas. Diante disso, no final do ano, seguindo o exemplo de São Paulo se deu início o processo de ocupações em 24 escolas que lutam contra as OS’s e a militarização das escolas.

A primeira etapa desse processo ocorre na região de Anápolis, onde 23 escolas serão entregues nas mãos das OS’s. Após isso, segundo a Secretaria de Estado de Educação, o intuito é expandir para o entorno do DF e Goiânia.

Alunos ocupam escola estadual em protesto contra terceirização, em Goiás (Foto: Vanessa Martins/G1)
No dia 14 de dezembro de 2015, o governador baixou um decreto definindo que 25% das escolas públicas estaduais iriam ser privatizadas. O cenário em Goiás é de caos, com suspensão de concursos e ausência de repasse de verbas.

As escolas enfrentam diversos problemas estruturais e pedagógicos e a resposta que o governador vem dando é repressão através da PM e privatização do ensino. As OS’s não serão obrigadas a permanecer com mais de 30% de professores concursados!

Enquanto isso, nas escolas militarizadas, nas mãos da PM, o movimento estudantil é duramente reprimido e cerceado, além de diversas taxas serem cobradas aos estudantes, desde a matrícula, livros, até a mensalidades.

A solução que precisamos para a Educação Pública é a garantia de investimento e direitos. A JR está presente nesta luta!

(Texto publicado em janeiro de 2016, no boletim nacional da JR. Confira aqui!)

Ocupação de escolas em Goiás: #Fora O.S