Tá decidido: Nosso candidato é Lula!

Tá decidido: Nosso candidato é Lula!

Confirmou-se no último dia 04, em São Paulo, no Encontro Extraordinário do PT, a candidatura do companheiro Lula à Presidência da República. No auge de uma perseguição política, promovida pelo judiciário e agitado pela mídia, Lula será lançado para corresponder à expectativa da maioria do eleitorado brasileiro que vem declarando sua intenção de voto nas pesquisas.

Estudantes ocupam as ruas de Brasília em defesa da UnB

Estudantes ocupam as ruas de Brasília em defesa da UnB

O dia 10 de abril foi um dia vitorioso para o movimento estudantil. Três mil estudantes, técnicos e professores pararam suas atividades e saíram às ruas em defesa da Universidade de Brasília. Há tempos nossa universidade vem enfrentando um ajuste fiscal que gera problemas como cortes nas bolsas de pesquisa, demissão do quadro de terceirizados, estagiários, proposta de aumento do RU e lida com a possibilidade de fechar as portas no final do semestre caso a situação não altere.

Caderno de resoluções da Plenária Nacional da Juventude Revolução

Caderno de resoluções da Plenária Nacional da Juventude Revolução

Nos dias 21 e 22 a Juventude Revolução realizou em Brasília – DF a sua Plenária Nacional, que reúne coordenadores de núcleos por todo o país, para debater as principais tarefas diante da situação política, para avançar na luta em defesa da juventude em conjunto com classe trabalhadora e suas organizações. Preservando a sua independência política para discutir as necessidades da juventude, a PNJR foi totalmente autofinanciada, os delegados fizeram arrecadações nos estados para garantirem a participação na atividade. Baixe aqui o caderno de resoluções

Juventude Revolução realiza sua Plenária Nacional

Juventude Revolução realiza sua Plenária Nacional

Nos dias 21 e 22 a Juventude Revolução realizou em Brasília – DF a sua Plenária Nacional, que reúne coordenadores de núcleos por todo o país, para debater as principais tarefas diante da situação política, para avançar na luta em defesa da juventude em conjunto com classe trabalhadora e suas organizações. Preservando a sua independência política para discutir as necessidades da juventude, a PNJR foi totalmente autofinanciada, os delegados fizeram arrecadações nos estados para garantirem a participação na atividade.

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

JR participa da Audiência pública que discutiu o caso de Rafael Braga

A Juventude Revolução participou da Audiência Pública realizada dia 30/08 pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para discutir o caso de Rafael Braga. Trata-se do único “preso político” das manifestações de junho de 2013. Ele foi condenado injustamente sobre a suposta acusação de porte de material inflamável. O material em questão era o pinho sol e uma agua sanitária, produtos de limpeza. Rafael não estava sequer participando da manifestação. Ao cumprir a pena em semiaberto, ocorreu a segunda prisão por porte ilegal de drogas, uma quantidade ínfima e implantada pela própria PM , foi baseada apenas no depoimento dos policiais. A justiça se recusou a ouvir o depoimento das testemunhas. Enquanto isso, o dono do helicóptero que carregava 450 kg de cocaína está solto e bem longe de ser preso. Rafael Braga sofre maus tratos e está em um quadro grave de saúde , foi encarcerado injustamente em uma prisão racista e arbitrária . Rafael é mais uma vítima do estado racista que promove o genocídio da população negra e pobre. A polícia militarizada, herança da ditadura militar, atua como uma máquina de guerra , que quando não mata, encarcera toda juventude negra, sobre condições desumanas e em presídios superlotados. Nós da Juventude Revolução além de lutar pela desmilitarização da PM, nos somamos à luta pela liberdade para Rafael Braga. Livia Cairus, tesoureira do DCE UnB e militante da JR.

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

O Brasil sofreu um golpe para destruir os direitos e atacar a soberania nacional. A educação teve o investimento limitado por 20 anos e sofreu graves cortes orçamentários, o Ensino Médio teve reforma que retirou conteúdos, os trabalhadores sofrem com a aprovação da reforma trabalhista e toda a nação é ameaçada com o plano anunciado de privatizações. Temer, o congresso e o judiciário, rezando a cartilha do capital financeiro querem avançar sobre todos os nossos direitos e conquistas, impedindo a juventude de ter direito a um futuro digno! Mas a luta da juventude em 2016 com centenas de ocupações de escolas e mobilizações, a greve geral de abril dos trabalhadores e suas organizações mostraram a disposição de resistência, que apesar das dificuldades, precisa prosseguir. Só através da luta é que poderemos defender nossos direitos!

Depois de parar o Brasil, vamos juntos ocupar Brasília pela Retirada da Reforma da Previdencia

Depois de parar o Brasil, vamos juntos ocupar Brasília pela Retirada da Reforma da Previdencia

A paralisação nacional no dia 15 e as mobilizações no dia 31, ambas em março, significaram a abertura de uma nova situação em nosso país. Foram iniciativas convocadas pela CUT e outras centrais sindicais que ajudaram a preparar a histórica greve geral do dia 28. O resultado foram categorias como metalúrgicos, bancários, professores de escolas públicas e privadas, rodoviários, metroviários, portuários, borracheiros, eletricistas, servidores públicos e em alguns locais o comércio parou, além de atos em várias cidades, capitais ou interiores. Foi uma demonstração de unidade e de uma crescente força de mobilização que reflete a disposição da classe trabalhadora e da juventude em impedir a retirada de direitos a qual tantos golpistas querem emplacar. Só o governo e sua mídia golpistas tentaram esconder! Mas com certeza eles sentiram o impacto. É preciso parar o país. Os piquetes ajudaram a materializar essa necessidade. Foi certa a decisão de jogar peso nas ações que garantia que não houvesse expediente ao invés de apenas chamar um ato ainda que eles também tenham tido sua importância. A Juventude Revolução em vários estados se envolveu nessa tarefa. Ao lado dos sindicatos fez piquetes, trancou vias, panfletou e fez coluna em atos resultante de toda essa mobilização durante o dia. Derrotar a reforma da previdência é possível e além de mobilização, exige atenção para não cair em armadilhas. Alguns parlamentares insistem em emendar o texto para torná-lo “menos pior” tentando salvar algumas categorias, na prática levando uma a se opor às outras. Está certa a CUT que rejeita as emendas e exige que a PEC seja retirada de tramitação para que não seja emendada e nem votada. Em outro sentido se comporta a UNE, dirigida majoritariamente pela a UJS. Na greve foi apequenada, não mobilizou a base a partir de assembleias como deveria. Onde houve assembleias como na UFSC, UNB e outras universidades e faculdades o resultado foi um engajamento maior e piquetes nos locais de estudo. O surpreendente, é que nesta conjuntura que se cria a força capaz de retirar a reforma da previdência, é que a direção da UNE despende forças em um abaixo assinado para emendar a PEC da Previdência negociando a manutenção das isenções fiscais das instituições filantrópicas que ofertam as bolsas do programa. Nos fatos, é uma campanha que divide o movimento e enfraquece a luta. Só a luta conjunta pela retirada da PEC 287 pode afastar a ameaça às bolsas do Prouni, pois nada impede que outra emenda do tipo seja incorporada, se continuar tramitando. A melhor defesa para que estudantes não percam suas bolsas e, o melhor caminho para defender os direitos, inclusive dos estudantes do PROUNI, é somar forças na luta pela retirada para que não seja votada. A PM e a Justiça tentam parar a mobilização Diante da mobilização, o governador do Goiás, Marconi Perillo (PSDB) mandou a PM reprimir brutalmente ao ponto de um policial quebrar um cassetete na cabeça do estudante da UFG Mateus Ferreira da Silva resultando em um traumatismo cranioencefálico e múltiplas

Eleição DCE UNB: os estudantes elegeram o Fora Temer e Nenhum Direito a Menos!

Eleição DCE UNB: os estudantes elegeram o Fora Temer e Nenhum Direito a Menos!

Após 5 anos de gestão da Aliança pela Liberdade (gestão de direita) na Universidade de Brasília, mais de 12 mil estudantes foram às urnas, nos dias 5 e 6 de abril, para derrotar o projeto privatista de universidade que compactua com o golpismo e com a retirada de direitos que ataca em cheio a nós, jovens e estudantes. A ameaça contra o caráter público e gratuito da universidade, a reforma da previdência o congelamento de gastos na educação, reforma no ensino médio, demandam de nós estudantes muita mobilização. Por isso, os estudantes da UNB decidiram por fim aos anos de paralisia do movimento estudantil e abrir ala para um programa que deixe bem claro de qual lado está, o lado da defesa dos direitos e da luta por mais conquistas.