[ATUALIZADA ✅] Contribuição ao 15º CONEB da UNE

[ATUALIZADA ✅] Contribuição ao 15º CONEB da UNE

UNE EM DEFESA DOS DIREITOS E DA DEMOCRACIA Acontece em Salvador-BA, de 6 a 10 de fevereiro, o CONEB onde participam delegados eleitos nos Centros e Diretórios Acadêmicos de todo o Brasil. Com esta contribuição queremos ajudar a organizar a resistência estudantil no próximo período para que a UNE lute pelos direitos e democracia.Discuta na sua entidade e vem com a gente! O próximo período será de duras batalhas para os estudantes brasileiros. O resultado eleitoral com Bolsonaro ganhando nos preocupa e exige que organizemos a resistência em defesa dos direitos estudantis. De outro lado, 47 milhões de pessoas que votaram em Haddad do PT demonstram uma resistência importante que deve prosseguir. O governo eleito se mostra na contramão dos nossos anseios. Submetido aos interesses do capital financeiro e cercado de militares, já anunciou privatizar empresas públicas, destruir a previdência social, cobrar mensalidades em universidades públicas e continuar retirando o investimento nas áreas sociais. É um governo autoritário e antipopular, eleito num processo marcado pela fraude eleitoral, afinal o candidato preferido da maioria foi impedido de concorrer, Lula segue preso sem provas num processo de exceção. Bolsonaro teve apoio do sistema que alega combater: STF e TSE ignoraram o seu caixa 2 para disparar fake news no Whatsapp. Tentou censurar a UNE. A justiça foi cúmplice invadindo CAs, interrompendo atividades, confiscando materiais de campanha e censurando a liberdade de expressão. A candidatura do PT perdeu as eleições, mas de pé. Milhares de estudantes se engajaram buscando uma saída política para barrar o golpe e a retirada de direitos, a precarização dos serviços públicos e o desemprego. Em universidades de todo o Brasil houve panfletagens, adesivaços e atos públicos. A luta foi para defender vagas nas universidades públicas, renegociar as dívidas do FIES, defender a assistência estudantil e revogar as reformas de Temer. É certo que os tempos se anunciam difíceis, mas não vamos dar um passo atrás. Organizaremos a resistência em cada universidade e faculdade no país para defender o que conquistamos. DEFENDER OS DIREITOS DOS ESTUDANTES E A EDUCAÇÃO! É tempo de retomar e ampliar o diálogo com os estudantes para organizar a resistência, defendendo os direitos estudantis nas universidades públicas e privadas. Não nos intimidaremos com ameaças de militares, nem da justiça que querem cercear a liberdade de expressão. Lutaremos com intransigência contra tentativas de cobrar mensalidades nas universidades que prejudicará milhares de estudantes que dependem do ensino público. Defenderemos firmemente verbas para assistência estudantil, restaurantes, residências e bolsas. Lutaremos contra o absurdo aumento de mensalidades, os juros no “novo FIES” e critérios de desempenho no Prouni, e o aumento destrutivo do ensino a distância. Precisamos nos juntar em “frentes” que defendam direitos e democracia, lutando pela liberdade de Lula. Não podemos vacilar, porque querem destruir conquistas e aprisionar nosso futuro. Não cabe tentar “frentes amplas” com Carmen Lúcia, PSDB ou Folha de São Paulo como sugeriu a presidente da UNE. Pesou contra nas eleições os 13 anos do PT tentando governar conciliando interesses, buscando uma “governabilidade” política

15º ENJR: Por direitos, democracia e futuro: Por Lula livre, Lula presidente!

15º ENJR: Por direitos, democracia e futuro: Por Lula livre, Lula presidente!

Depois de dois anos do golpe, é o nosso futuro que está ameaçado. Os ataques aos direitos e a prisão ilegal de Lula colocam a democracia em risco. A luta para retomar nossos direitos integra a luta pela liberdade de Lula e a garantia de sua candidatura. GOLPE CONTRA OS DIREITOS! Na crise do capitalismo, os imperialistas não suportam a menor concessão de direitos para a juventude e a classe trabalhadora. Precisam destruir todo e qualquer resto de garantia que conquistamos em diversos países do mundo. Por isso bombardearam a Síria, dando continuidade a sua política de guerra e, através do FMI e Banco Mundial, aplicam contrarreformas. Nessa via, fazem também um cerco político e econômico para derrotar a resistência do povo Venezuelano. E, no Brasil, patrocinaram um golpe jurídico-parlamentar. Nós conquistamos, num longo processo de resistência, principalmente durante os governos do PT, mais empregos, salário mínimo com aumento real, aprovamos 10% do PIB e 75% do Fundo Social do Pré-Sal para educação permitindo maior acesso dos filhos dos trabalhadores às escolas e universidades públicas. Nada disso tem espaço em uma política econômica que prioriza o bolso dos banqueiros ao invés dos serviços públicos, por exemplo. Para ampliar os ataques à juventude e aos trabalhadores, os golpistas aprovaram no congresso nacional a emenda constitucional 95 que congela os investimentos públicos por 20 anos! É essa emenda que hoje arremessa a educação no caos, sem orçamento, preparando um terreno que pode levar à cobrança de mensalidades e taxas nas escolas e universidades públicas, reduzindo as vagas e sucateando-as. O golpe desinvestiu no país, empresas fecharam, patrões estão demitindo de qualquer jeito, porque a reforma trabalhista foi aprovada, e nós saímos de mãos abanando. Aumenta assim, o desemprego e a informalidade levando mais jovens à rodoviárias e transportes públicos para vender doces, por exemplo. Nessa situação, a juventude negra “desaparece” e morre de bala “perdida” como nunca. Afinal, se o próprio governo ataca os direitos, também não vai garantir a vida de quem fica na mira de uma polícia militarizada. Os eventos culturais estão concentrados nos centros das cidades. Sem passe livre estudantil e meia entrada irrestritos, fica cada vez mais difícil o acesso à cultura. As atividades que acontecem na nossa própria quebrada são no improviso, muitas vezes sem espaço físico adequado. São os movimentos culturais que se desdobram para fazer acontecer, enquanto nós sabemos que esse é também o papel do estado. Falta cultura, falta lazer, falta esporte, mas o que não falta são as drogas, cujo principal objetivo é destruir fisicamente a juventude e, por consequência, a sua capacidade de luta. As drogas são oferecidas como saída porque justamente não querem nos garantir a verdadeira solução para os nossos problemas: emprego, educação, saúde, cultura e esporte. O SISTEMA ESTÁ PODRE! O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e dos 5 jovens de Maricá demonstram o fracasso da intervenção militar no Rio de Janeiro. As instituições estão completamente apodrecidas e são rejeitadas pela grande maioria do povo. Afinal, quem acredita

Ministério Público defende rebatismo de locais que lembram a Ditadura. Dilma tem a responsabilidade!

O relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), entregue em dezembro à presidenta Dilma (PT), aconselhou o rebatismo de locais que lembram nomes dos torturadores e assassinos da Ditadura Militar. Nada mais justo! Com isso se ampliou o debate e agora o Ministério Público Federal (MPF) aconselha os entes federativos a adotarem inciativas nesse sentido. Busto de Costa e Silva sendo derrubado de praça em Taquari (RS), cidade onde nasceu o ditador.