Março Vermelho: Por direitos, por futuro!

Março Vermelho: Por direitos, por futuro!

Todo ano a Juventude Revolução se propõe a construir o Março Vermelho, uma série de atividades dedicadas a relembrar a luta das mulheres e construir sua luta nos dias atuais. Se nesse tempo as mulheres trabalhadoras travaram grandes batalhas hoje enfrentamos batalhas diferentes mas igualmente grandes. O sistema capitalista de hoje, na fase dos monopólios, o imperialismo, não consegue atender as necessidades da população num geral e consegue atender ainda menos as demandas específicas das mulheres. Nossa luta está inteiramente ligada à luta pelo fim da exploração de classe porque são as mulheres, sobretudo negras, que predominam nos serviços mais precarizados, por exemplo, com as relações de trabalho mais instáveis e desprotegidas.

Em defesa da democracia, pelo direito de Lula ser candidato: Criar comitês de mobilização!

Em defesa da democracia, pelo direito de Lula ser candidato: Criar comitês de mobilização!

Queremos cada vez mais investimento na educação, saúde, moradia, transporte, segurança, esporte, lazer e cultura. Só que desde o golpe somos atingidos em cheio com o desemprego crescente e empurrados a trabalhos informais. Passagens de ônibus mais caras e passe estudantil em risco. Nossas universidades estão com orçamento estrangulado e o MEC persegue a autonomia universitária. No ensino particular os professores são demitidos e substituídos por disciplinas online comprometendo a qualidade no ensino.

UnB em defesa da autonomia universitária

UnB em defesa da autonomia universitária

Golpistas ameaçam acionar o MPF contra curso oferecido pela universidade Num contexto de dezenas de medidas obscurantistas contra a educação, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) anunciou que pretende acionar o Ministério Público federal (MPF), numa ação judicial contra a Universidade de Brasília (UnB). O motivo: a oferta de uma disciplina no Instituto de Ciência Política intitulada: Tópicos especiais em ciência política: o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil.

Estado de exceção acelera julgamento de Lula

Estado de exceção acelera julgamento de Lula

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região acelerou o passo e marcou o julgamento que irá decidir sobre o recurso que a defesa de Lula apresentou contra a condenação sem provas do juiz Sérgio Moro. De acordo com a média dos processos julgados no TRF4, todos esperavam que o julgamento de Lula fosse realizado em março. Mas os desembargadores resolveram acelerar o passo, marcando para 24 de janeiro. Como disse o insuspeito e odioso capacho da burguesia, Reinaldo Azevedo, comentarista político da RedeTV: “se isso (usar o julgamento para tirar Lula da eleição) não é verdade, não há razão para antecipar. E se isso é verdade, é absolutamente lamentável, por que estaríamos diante de um julgamento de exceção.”.

Para defender os direitos e o futuro da juventude brasileira: Filie-se ao PT!

Para defender os direitos e o futuro da juventude brasileira: Filie-se ao PT!

O governo golpista de Michel Temer com Congresso Nacional agem para surrupiar da juventude seus direitos e um futuro digno. Querem destruir educação pública com limite de verbas da PEC 95. Entregam soberania com venda do Pré-sal. Desemprego cresce na juventude. A Reforma Trabalhista diminuirá renda e direitos. Nossa liberdade é golpeada pela justiça injusta. Jovens negros são sacrificados com genocídio policial permitido pela impunidade. Querem obrigar jovens a parir filhos de estupradores com a PEC 181.

Eleição sem Lula é Fraude! Lula presidente com constituinte pra mudar!

Eleição sem Lula é Fraude! Lula presidente com constituinte pra mudar!

  A situação política nacional é marcada por uma insatisfação generalizada. O povo não tolera mais as instituições apodrecidas. As pesquisas indicam altos índices de rejeição, inclusive no Judiciário. São essas instituições golpistas que atacam a juventude por todos os lados. Com os cortes no investimento em educação, os estudantes sofrem com a retirada de bolsas de assistência estudantil, redução de alimentos nos restaurantes universitários, falta de reforma nas casas estudantis! E isso tudo será agravado pelo teto de gastos, que congelou o orçamento por 20 anos! Os estudantes das escolas públicas também sofrem com os ataques dos golpistas. João Dória (PSDB) restringiu o direito do passe livre estudantil em São Paulo e cortou o orçamento da educação, limitando a merenda! Em uma escola da Zona Norte, os estudantes foram marcados a caneta para não comer mais de uma vez! Um verdadeiro absurdo! Eleição sem Lula é fraude! Essa rejeição indica a descrença do povo. Ao mesmo tempo, na via da resistência cada vez mais amplas parcelas do povo se agarram à única saída possível: Lula presidente! Foi o que mostrou o resultado da caravana de Lula pelo Nordeste. Milhares de jovens estiveram presentes na caravana para declarar seu apoio ao ex-presidente. Foi a expressão prática do que dizem as pesquisas: 40% da juventude quer Lula presidente de novo. Por isso, um dia após o fim da caravana, Rodrigo Janot, Procurador-Geral da República, em menos de 24 horas, apresentou duas denúncias contra Lula, Dilma e outros petistas. E isso veio junto com o depoimento, sem provas, de Antônio Palocci. Se trata de uma perseguição jurídica para impedir a candidatura de Lula, o favorito nas pesquisas, que se coloca contra as medidas adotadas pelos golpistas. Fruto da resistência da juventude e da classe trabalhadora e da crise entre os golpistas, representantes da burguesia como Renan e Otto foram à caravana, defender publicamente o direito de Lula se candidatar. Quanto mais amplo for a defesa do direito de Lula ser candidato melhor, mas uma eventual candidatura de Lula não deve se aliar aos golpistas e velhos oligarcas do país. É preciso eleger Lula com uma Constituinte. Foi o que expressou a Juventude Revolução, quando esteve presente em algumas cidades onde Lula passou. “Para defender a educação pública, Lula com Constituinte!”, era o que dizia um faixa da JR em Quixadá (CE). Sim, por que com esse Congresso é impossível governar para atender as reivindicações da juventude e do povo trabalhador. Uma constituinte soberana SEM senado, com financiamento público EXCLUSIVO, e o voto em lista com um eleitor um voto (ao contrário do que acontece hoje, já que o critério de representação minima e máxima distorce o voto em cada estado). Esse é o caminho para defender a educação pública, revogar as medidas dos golpistas e abrir caminho às reivindicações do povo. A JR está nessa luta, preparando sua Plenária Nacional (21 e 22 de outubro) que reunirá dezenas de militantes para discutir essa situação e manter o combate pelos direitos dos jovens.

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

Plenária Nacional da Juventude Revolução – 21 e 22 de outubro, Brasília

O Brasil sofreu um golpe para destruir os direitos e atacar a soberania nacional. A educação teve o investimento limitado por 20 anos e sofreu graves cortes orçamentários, o Ensino Médio teve reforma que retirou conteúdos, os trabalhadores sofrem com a aprovação da reforma trabalhista e toda a nação é ameaçada com o plano anunciado de privatizações. Temer, o congresso e o judiciário, rezando a cartilha do capital financeiro querem avançar sobre todos os nossos direitos e conquistas, impedindo a juventude de ter direito a um futuro digno! Mas a luta da juventude em 2016 com centenas de ocupações de escolas e mobilizações, a greve geral de abril dos trabalhadores e suas organizações mostraram a disposição de resistência, que apesar das dificuldades, precisa prosseguir. Só através da luta é que poderemos defender nossos direitos!

Vereadores tentam anular regulamentação de terras indígenas em Palhoça – SC

Vereadores tentam anular regulamentação de terras indígenas em Palhoça – SC

A Câmara de Vereadores de Palhoça-SC promoveu uma audiência Pública na noite de segunda-feira, 14 de agosto, para discutir a Demarcação das Terras Indígenas do Morro dos Cavalos, de Maciambu e da Enseada de Brito. Estiveram presentes na audiência os parlamentares e os moradores da Enseada do Brito, mas não houve nenhum chamado às lideranças indígenas Guarani das terras em questão.