Greve dos estudantes na UNB por recomposição orçamentária!

Greve dos estudantes na UNB por recomposição orçamentária!

A Universidade vive um déficit de 92 milhões nas contas em razão do teto orçamentário imposto pela Emenda Constitucional 95. A reitoria, sob pressão do MEC, erradamente, aplica um ajuste que consiste na demissão em massa de funcionários terceirizados, estagiários e propõe o aumento do RU de R$2,50 para R$6,50. A luta contra essas medidas acontece desde o ano passado e se intensificou nas férias contra o aumento do RU e, deu continuidade, com as novas demissões de terceirizados e estagiários.

APROVAR A GREVE GERAL DA UNB! Por recomposição orçamentária e autonomia universitária.

APROVAR A GREVE GERAL DA UNB!  Por recomposição orçamentária e autonomia universitária.

A Juventude Revolução (JR) participa ativamente da luta dos estudantes da UNB contra os cortes orçamentários e seus efeitos nefastos como a demissão de terceirizados, estagiários e tentativas de aumento do valor do RU. No último dia 10, uma grande mobilização na Esplanada dos Ministérios, organizada pelas entidades dos estudantes e dos trabalhadores da UNB, conseguiu estabelecer uma mesa de negociação com o MEC. No entanto, mal ela se instalou, pedras – que nada tem de “radicais”- foram arremessadas exatamente nas janelas onde começava essa negociação.

UnB em defesa da autonomia universitária

UnB em defesa da autonomia universitária

Golpistas ameaçam acionar o MPF contra curso oferecido pela universidade Num contexto de dezenas de medidas obscurantistas contra a educação, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) anunciou que pretende acionar o Ministério Público federal (MPF), numa ação judicial contra a Universidade de Brasília (UnB). O motivo: a oferta de uma disciplina no Instituto de Ciência Política intitulada: Tópicos especiais em ciência política: o golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil.

Universidades federais devem ter corte de até 45% nos investimentos

Universidades federais devem ter corte de até 45% nos investimentos

  [Reproduzimos abaixo a matéria publicada no Estadão no dia 11/08] O governo federal prevê cortar até 45% dos recursos previstos para investimentos nas universidades federais em 2017, na comparação com o orçamento deste ano. Já o montante estimado para custeio deve ter queda de cerca de 18%. Segundo cálculos de gestores, serão cerca de R$ 350 milhões a menos em investimentos para as 63 federais – na comparação com os R$ 900 milhões previstos para o setor neste ano. As instituições já vivem grave crise financeira, com redução de programas, contratos e até dificuldades para pagar contas.