14448914_726036524221162_1108986177367418708_n

Com o golpe consumado pelo Judiciário e parte da mídia, claramente ordenado pelo Imperialismo é que os direitos da classe trabalhadora e a livre manifestação e organização dos trabalhadores ficam seriamente ameaçados. Cada vez mais, a lista de medidas provisórias e proposta de emenda constitucional aumentam para retirada dos direitos.

O dia 22 de setembro foi tomado por manifestações, paralisações de locais de trabalho e ocupações em instituições de ensino  como no IFSP, um esquenta para a construção da greve geral. A cidade de Ourinhos também se manifestou, através da realização de um ato, iniciado com um jogral no terminal de ônibus.

A mobilização foi  organizada pelo estudantes do Centro Acadêmico da Unesp, Comitê Jamais Temer e do coletivo feminista da cidade. Os militantes da JR também ajudaram a organizar.

O ato foi marcado por quais são os nossos direitos que estão sendo retirados e de como organizados e unidos para ocupar fábricas, escolas e ruas, podemos resistir até o governo golpista ser derrotado. Nesse sentido, apoiamos a ampliação da resistência para a construção da greve geral.

Com enfoques nos maiores retrocessos impostos como a PEC 241 que visa o congelamento dos investimentos em qualquer área por 20 anos, incluindo corte de gastos em área da saude, cortes nos investimentos nas universidades e tantos outros, como a reforma do ensino médio com a Medida Provisória 746, que ataca o direito à educação o direito

Ana Karina Lira, é militante da JR em Ourinhos – SP

Tem luta contra o golpe em Ourinhos, no interior de SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *