CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!

O corte de 7,3 bilhões na educação levou mais de um milhão de pessoas às ruas. A tesoura do MEC tirou 30%, em média, da verba universidades e institutos federais além dos cortes na CAPES que já cancelou várias bolsas, também ameaça a nossa permanência com RUs mais caros, menos limpeza, segurança e manutenção de projetos científicos. Reitores se viram como podem e são acusados de promover balbúrdia. O MEC quer proibir consultas paritárias e Bolsonaro quer escolher reitores a dedo pra facilitar o meio de campo da destruição do ensino.
Nas privadas, o descaso do MEC impede milhares de confirmar seus contratos do FIES. O PROUNI sofreu uma dura redução e as mensalidades continuam subindo. Estão tirando os jovens da universidade. Agora, está autorizado 40% do currículo à distância nos cursos presenciais, e as mensalidades continuam subindo, só para aumentar o lucro dos tubarões do ensino.
Os jovens que cursam licenciatura vão encontrar contratos precarizados pela reforma trabalhista no ensino privado e escolas públicas sem nenhuma estrutura, ou ainda entregues à polícia militar. Com o pretexto da “ideologia” quer o obscurantismo com a “Lei da mordaça” que instala censura nas escolas e impedir a liberdade de ensino.

Essa política de retirada de direitos está destruindo a educação brasileira, por isso milhares vão às ruas. Não vamos abrir mão do nosso direito à educação! No 15 de maio paramos a educação em todo país para exigir a reversão dos cortes. Seguiremos firmes neste caminho, porque os jovens precisam estudar, querem uma perspectiva de futuro. No dia 30 de maio estaremos nas ruas com a UNE novamente, estamos esquentando os motores para a greve geral de 14 de junho. Queremos mais verbas para as universidades públicas, mais bolsas e condições dignas de permanência. Queremos professores com bons salários, mais segurança e melhores estruturas nos Campi. Queremos mudar as atuais regras do FIES e a volta dos jovens para as salas de aulas. Queremos educação pública gratuita e de qualidade para todos os jovens brasileiros.

CONSTRUIR A GREVE GERAL COM OS TRABALHADORES: TIREM AS MÃOS DA PREVIDÊNCIA!

No dia 15 de maio da greve nacional da educação, lutamos ao lado dos trabalhadores contra os cortes na educação e a reforma da previdência. Queremos o direito de nos aposentar, não aceitamos a chantagem do ministro da educação que afirmou “ser possível rever os cortes se a reforma da previdência for aprovada”. Direito não se negocia, se defende!
Bolsonaro é um soldadinho de Trump, que hoje tenta intervenção militar na Venezuela para acabar com sua soberania e roubar seu petróleo. Mas o povo vizinho resiste e é verdadeira inspiração para nós. Temos hoje um governo eleito num processo com fraudes, caixa 2 e manipulação dos tribunais, que retirou Lula do pleito mantendo-o preso num processo forjado e sem provas. É autoritário e entreguista, comandado pelos militares e protegido do judiciário, que não investiga o laranjal do PSL, a ligação dos Bolsonaro com milícias e outros escândalos. Comemora o golpe militar de 64 e tem como Ministro da Justiça Sérgio Moro, que quer institucionalizar a licença aos policiais para matar jovens negros nas periferias.
Quer a todo custo aprovar sua principal medida: a PEC 06 da Reforma da Previdência para substituir o atual modelo da previdência pública e solidária, que é uma conquista da classe trabalhadora brasileira, por um regime individual chamado de capitalização, para encher o bolso dos banqueiros.

Com esta Reforma o estado e os patrões deixariam de contribuir. A conta cairia sobre os trabalhadores que, com a capitalização e aumento da idade mínima, teriam de contribuir por 40 anos através de uma conta individual para se aposentar. É o modelo que vale atualmente no Chile e provoca muitos suicídios entre idosos. Na Reforma, a previdência deixa de ser um direito constitucional e, aumentasse a idade mínima para aposentadoria. Isso significa que os jovens terão que trabalhar sem parar para tentar se aposentar. Mas é uma missão impossível! Porque o jovem sofre com desemprego, que atinge mais de 13 milhões de brasileiros, com o emprego intermitente e baixos salários. O governo ainda quer impor aos jovens a “carteira verde amarela”, uma nova legislação trabalhista que reduz direitos.
É possível resistir, é possível vencer! Estamos lutando pelo nosso futuro com educação de qualidade, bons empregos com salário digno e aposentadoria!
A CUT e as demais centrais estão preparando uma greve geral contra a reforma da previdência. Defendemos a UNE na linha de frente com os trabalhadores. Para obter vitória precisamos nos apoiar naqueles, como o PT, que afirmam “vamos derrotar essa Reforma”, não há o que negociar com Bolsonaro.
Nossas organizações estão de pé e vivas na luta. Apesar dos ataques, há mobilização crescente com a disposição de milhares de estudantes e jovens que querem resistir, independente em quem votaram na eleição. Em cada faculdade e universidade, resistiremos contra os ataques do governo. Estamos indo de sala em sala com abaixo-assinados contra Reforma pra mobilizar os estudantes a defender um futuro com mais empregos, melhores salários e com educação de qualidade.

DEFENDER A DEMOCRACIA: LULA LIVRE!

A UNE aderiu aos atos de 7 de abril, quando completou um ano da prisão ilegal de Lula. É assim que deve continuar! A campanha Lula Livre é a luta para retomar a democracia no Brasil e está diretamente ligada à luta por direitos, pois não há democracia sem direitos.
A perseguição a Lula é expressão do caráter antidemocrático das instituições brasileiras, preservadas pela Constituição de 88 e que garante a manutenção da classe dominante no poder. Não por acaso, promoveram o golpe do impeachment sem crime de responsabilidade, e prenderam Lula ilegalmente, impedindo que o candidato favorito do povo participasse das eleições. Assim, elegeram e empossaram Bolsonaro com seu projeto antipopular de destruição das organizações populares.
A campanha Lula livre ultrapassa fronteiras e ganha o mundo com atos e manifestações que exigem sua liberdade. As entidades estudantis, especialmente a UNE, devem ser ponto de apoio para os estudantes brasileiros na batalha para massificar essa campanha, construir Comitês e fortalecer esta luta democrática.
Defender a liberdade de Lula é defender a democracia e os direitos, e dessa luta a UNE não pode arredar o pé. QUEREMOS LULA LIVRE!

A UNE NA SALA DE AULA E NAS RUAS!

O movimento massivo contra os cortes que sacudiu as universidades federais e inundou as ruas em 15 de maio foi importante para a UNE retomar seu lugar nas lutas estudantis. Ela tem a responsabilidade de guiar os estudantes e juntar forças com aqueles que defendem os direitos e a democracia. Essa deve ser sua prioridade. É incompreensível e inaceitável que a UNE assine, junto com a Fiesp e a federação dos bancos, um “manifesto em defesa do STF” e depois a mesa diretora (presidente, vice e secretário geral) se reúna com o Ministro Dias Tóffoli para um “diálogo institucional para defesa da democracia e da Constituição de 88”. Uma coisa é discutir pautas da entidade, outra é utilizar esse pretexto para defender o STF e dizer que é “o guardião da democracia”. Mas com que mandato afirma tal posição? Porque não exigiram a Liberdade de Lula, conforme decisões de instâncias da UNE? Ora, essa corte anistiou torturadores e assassinos da ditadura que mataram os estudantes Honestino Guimarães e Edson Luiz. Não foi este tribunal que, sob a luz da Constituição de 88, coordenou os trabalhos do golpe do impeachment contra a Dilma e, agora seu presidente, Dias Tóffoli, bajula Bolsonaro que está saqueando o país e retirando direitos?
Ora, o STF está mais para guardião dos golpes de estado e do atropelo dos direitos constitucionais conquistados nas lutas. Por isso mantêm Lula preso. Na defesa da democracia, a tarefa da hora é lutar pela liberdade de Lula, e não bajular o STF, o supremo tribunal do podre poder Judiciário que o condenou sem provas.
Os tempos exigem mais diálogo na diretoria da UNE e, desta com a base estudantil. Retomar um giro pelo país articulando pautas e mobilizando assembleias e panfletagens pra derrotar as medidas do governo. Cada assembleia contra os cortes, passeata contra aumento de mensalidades, manifestações para manter o FIES, tem que contar com o apoio e presença da UNE. É daí que vem sua força, a UNE somos nós, nossa força e nossa voz!
Convidamos você estudante para vir conosco nessa luta. Entre em contato, mande suas contribuições. Participe das reuniões da tese na sua cidade e vamos juntos organizar a resistência no Movimento Estudantil. É hora da UNE nas salas de aula e nas ruas, porque a UNE É PRA LUTAR!

SAÚDE NÃO SE VENDE, LOUCURA NÃO SE PRENDE

O ministério da saúde ataca, em especial, a saúde mental, com o sucateamento dos serviços e precarização do atendimento humanizado para com a população em sofrimento psíquico. Ele retoma a lógica manicomial com a Nota Técnica N°11/2019, que incentiva a internação compulsória e direciona parte do investimento público à hospitais psiquiátricos em detrimento dos Centros de Atenção Psicossocial. Ele infringe a lei 10.261/01 conhecida como Reforma Psiquiátrica Brasileira e promove segregação, retirando a autonomia dos sujeitos e seu direito de exercício da cidadania. Comprometem a formação de profissionais da saúde mental e sua atuação na sociedade.
Lutamos em defesa dos Centros de Atenção Psicossocial e manutenção de uma abordagem comunitária, para além da medicação dos sujeitos. Exigimos que o Estado promova participação social e exercício da cidadania dessa população em processos de ruptura das redes sociais de suporte. Lutamos por uma sociedade sem manicômios!


🚩 NOSSAS REIVINDICAÇÕES

✔️ Contra os cortes na educação!
✔️ Não à reforma da previdência! Todo apoio à Greve Geral!
✔️ Em defesa da democracia e dos direitos: Lula Livre!
✔️ Chega de aumentos nas mensalidades e burocracia no FIES. Garantia de matrícula já!
✔️ Contra o corte nas bolsas. Recomposição da verba da CAPES e CNPQ já!
✔️ Em defesa da autonomia universitária! Respeitem as indicações pra reitor!
✔️ Contra a lei da mordaça!
✔️ Cumpram a lei 10.639! História e cultura afro-brasileira nas escolas já!
✔️ Abaixo a violência sexual nas universidades, segurança da própria universidade no campus!
✔️ Pela criminalização da LGBTfobia!
✔️ Passe livre estudantil e direito à meia-entrada irrestrita em todo o país!
✔️ Desmilitarização da PM! Fim do genocídio da juventude negra!
✔️ Contra criminalização do movimento estudantil e em defesa da UNE!
✔️ Toda solidariedade ao povo Venezuelano: Fora Trump da América Latina!

📝 ASSINAM ESSA TESE

Helio Barreto (UNE) ▶ Kris Mackleiny (UNE) ▶ Nelsimaria Cardoso (DCE UFBA) ▶ Thays Silva (CALE UFAL ARA) ▶ Gabriel Lacerda (DCE UFJF) ▶ Jonatas Ferreira (DCE USP) ▶ Danielle de Paula (DCE UFSC) ▶ Thayse Reis (UCE) ▶ Maria Clara (DCE UFAL) ▶ Marina Cordeiro (DA Doctum) ▶ Raphaela Nasser (DCE UFJF) ▶ Bruno Nogueira (DCE UFJF) ▶ Luiza Zem (DCE UFJF) ▶ Leonardo Zotico (CALL UFSC) ▶ Letícia Rabelo (CALL UFSC) ▶ Helo Lunaro (CALL UFSC) ▶ Ion Neto (UCE) ▶ Matheus Alcântara (CALA UFSC) ▶ Ana Beatriz (CACIJ UDESC) ▶ Victor Caique (CADIR UNB) ▶ Amanda Leal (CALET UNB) ▶ Rafael Santos (CAVIS UNB) ▶ João Testi (CAVIS UNB) ▶ Carla Emanuelle (CAPSI UNB) ▶ Larissa Hiratsuka (DCE USP) ▶ Marciara Cardoso (CAFA UFBA) ▶ Brenda Sousa (CABD UFBA) ▶ Ronaldo Xavier (Gastro UFBA) ▶ Kelly Rodrigues (Gastro UFBA) ▶ Driely de Oliveira (CAV IFSP) ▶ Linda T. (CAMBIO UFAL ARA) ▶ Adriana Adrião (CAVEn UFAL ARA) ▶ Nayse F. (CACC UFAL ARA) ▶ João Paulo (Medicina UFAL ARA) ▶ Lucas Ferreira (CACC UFAL ARA) ▶ Damares Cavalcante (CACC UFAL ARA) ▶ Vinícius Alves (CACC UFAL ARA) ▶ José Aparecido (CACC UFAL ARA) ▶ Júlia Machado (CA de História UFJ) ▶ Leonardo Rondon (DCE UFMT Cuiabá) ▶ Rodolfo Rodrigues (DCE UFMT Cuiabá) ▶ Muriel Alencar (CA ADM UFMT Cuiabá) ▶ Maria Clara Muniz (Pedagogia – UFBA) ▶ Laila Priscila Barreto (Pedagogia – UFBA) ▶ Vitória Beatriz Conceição (Pedagogia – UFBA) ▶ Ana Clara de Araújo (Pedagogia – UFBA) ▶ Genivaldo Batista (Pedagogia – UFBA) ▶ Lunara Rodrigues (Direito – UFBA) ▶ Evelin Francis (BI em Humanidades – UFBA) ▶ Thiago Lima (Direito – UFBA) ▶ Abraão Italo Costa Honorato (Biologia UFRB) ▶ Vanessa Costa Santos (Pedagogia UFRB) ▶ Bruna Santana de Oliveira (CABD – UFBA) ▶ Paula Oliveira (Direito – UFBA) ▶ Drielle Samela Costa da Cruz (Biologia UFRB) ▶ Igor Leal Santos (Agroecologia UFRB) ▶ Vitória Conceição (Pedagogia – UFBA) ▶ Ana Clara de Araújo (Pedagogia – UFBA) ▶ Ícaro Jesus (DCE – UFBA) ▶ Verônica Pavani (DAFil Unisinos) ▶ Jacson Gil Schossler (CAED Unisinos) ▶ Jeane Zardo (DALCEH Unisinos) ▶ Joja Vaiceulionis (DAMAQ Unisinos) ▶ Munir Walid (Letras – UNB) ▶ Emanoel Moreira (Serviço Social – UNB) ▶ Anna Julia Garcia (Serviço Social – UNB) ▶ Ana Luiza Guimarães (Filosofia – UNB) ▶ Beatriz Amorim (Ciências Sociais – UNB) ▶ Gabriel Lima (Engenharia Florestal – UNB) ▶ Gabriel Lima (Pedagogia – UNB) ▶ Mariana Andrade (Pedagogia – UNB) ▶ Roselaine Araújo (Contabilidade – UNB) ▶ Lara Andressa (Letras – UNB) ▶ Julio Ramos (Terapia Ocupacional – UNB) ▶ Valdineia Paiva (Saude Coletiva – UNB) ▶ Thiago Rosa (Direto – IESB) ▶ Guilherme Shandler (Arquitetura – UNIP) ▶ Geovanna Larissa (UNISA) ▶ Kauê Nogueira (UFABC) ▶ Matheus Marim (UFABC) ▶ Layla Barbosa (Uninove) ▶ João Santana (USJT) ▶ Wesley Rage (UNIP) ▶ Gabriela Cassia (FMU) ▶ Flávio dos Santos (Odontologia Facvest) ▶ Matheus Andrade (Odontologia Facvest) ▶ Liandra Serafim (Direito Facvest) ▶ Arilson Silva (Computação Facvest) ▶ Cláudia França (Odontologia Facvest) ▶ Thayná Campos (Direito Uniplac) ▶ Luana Antunes (Música Uniplac)