Vem aí a Plenária Nacional da JR do PT

Vem aí a Plenária Nacional da JR do PT

Vem com a gente construir uma organização autônoma da juventude e lutar por nossos direitos! O país passa por uma crise e dá pra ver que tem bastante coisa podre. Basta olhar para Bolsonaro e o Congresso Nacional atacando nossos direitos. O judiciário conspirador, forjou a prisão de Lula para impedir que ele ganhasse as eleições. E assim, milhares de jovens são empurrados a “dar um jeito” para sobreviver já que diminui a perspectiva de futuro.  Nós não podemos ficar de braços cruzados! A Juventude Revolução do PT convoca a Plenária Nacional para reunir representantes dos núcleos de todo o país para construir uma organização autônoma de juventude que lute pelas reivindicações da juventude nos bairros, escolas e universidades. A juventude vem tendo a sua perspectiva de futuro e de existência ameaçada, com o desemprego, o genocídio da juventude negra e a perseguição constante aos LGBTs. O desemprego bate recorde na juventude, principalmente entre mulheres e negros. A informalidade e subemprego são as opções para muitos que precisam ajudar a complementar a renda de casa, mesmo que isso signifique abandonar os estudos.  Ao mesmo tempo, o governo Bolsonaro corta cada vez mais no orçamento público, afetando diretamente as nossas vidas. Por exemplo, pode comprometer a compra de livros escolares, acabar com o “Minha Casa Minha Vida” e prejudicar a oferta de remédios na “Farmácia Popular”!  Nas escolas, os secundaristas estão com o conteúdo reduzido pela Reforma do Ensino Médio aprovada lá atrás por Temer. “Falta carteiras, mesas adequadas, quadro, canetas, já teve caso que entraram na escola e roubaram tudo, ou seja, [falta] maior segurança para a escola, funcionários e alunos” relata estudante em Juiz de Fora/MG onde a escola está num bairro que os jovens querem não só escola de qualidade, mas, também emprego, assistência social, atenção psicossocial, posto de saúde, pista de skate, espaços públicos de cultura e lazer, etc.  Para quem conseguiu chegar no ensino superior, a luta é para permanecer. Nas faculdades privadas é preciso defender os direitos dos estudantes, contra a demissão em massa dos professores e o aumento das disciplinas à distância, além dos cortes no FIES e PROUNI que tiram milhares na sala de aula.  Nas universidades públicas, a luta continua contra os cortes que estão obrigando o fechamento dos portões! A solução de Bolsonaro na educação é a implementação do “Future-se” que quer privatizar as universidades públicas. É hora de se apoiar na resistência que tem crescido contra esse projeto e derrotar o governo. Sim é possível, se todos se juntarem nesta luta, ao invés de dispersar forças propondo um Projeto de Lei alternativo nesse Congresso ultrarreacionário como quer a diretoria da UNE e outros.  Nas comunidades cabe organizar a luta contra o genocídio e encarceramento da juventude negra, vítima do tráfico e da PM – resquício da ditadura militar que tem que ser desmilitarizada. Sem perspectivas para os jovens, aumentam as chances de suicídios. O jovem preto quer viver, quer emprego, educação, saúde e cultura na periferia. Esse é o futuro

Carta aos jovens petistas é entregue para a presidenta do PT no 57º CONUNE

Carta aos jovens petistas é entregue para a presidenta do PT no 57º CONUNE

A Juventude Revolução do PT chegou forte no ato Lula Livre do 57º CONUNE. Centenas de jovens participaram do “ato em defesa da democracia e da liberdade de Lula”. Preso político há mais de 1 ano. A farsa da operação lava jato não mais se sustenta. Sérgio Moro pau mandado, prendeu o Lula pra eleger o Bolsonaro! A JR não para! Durante o ato, a JR do PT aproveitou para apresentar a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, nossa contribuição para o 7º Congresso do PT. A Carta aos Jovens Petistas traz como central a construção de uma juventude do PT autônoma. Uma JPT que organize a luta pelos interesses da maioria oprimida dos jovens brasileiros. É o que precisamos nesse momento decisivo do país.  Não dá pra vacilar! O PT está vivo. Os jovens encontram no PT o ponto de resistência contra os ataques. Não podemos vacilar! Seguimos o combate aqui no Congresso da UNE. Para barrar a reforma da previdência. Contra os cortes. Na defesa dos direitos, da democracia e da liberdade de Lula. “É hora da JPT se lançar na luta sem tréguas para massificar a campanha Lula Livre em cada canto desse país”.

Organizar a juventude contra a reforma da previdência!

Organizar a juventude contra a reforma da previdência!

O cenário atual no Brasil está marcado pelas mobilizações do dia 22/03. O “esquenta” da greve geral foi um sucesso. Centenas de milhares foram às ruas contra a reforma da previdência de Bolsonaro. Cerca de duas semanas depois, dia 07/04, milhares voltaram às ruas em defesa da liberdade do ex-presidente Lula. A juventude esteve presente na defesa dos direitos e da democracia.

JRdoPT recolhe assinaturas contra Reforma da Previdência

JRdoPT recolhe assinaturas contra Reforma da Previdência

Em Juiz de Fora a Juventude Revolução do PT se mobilizou para recolher assinaturas de jovens contra a PEC 06/2019, a reforma da previdência de Bolsonaro, que vai atingir em cheio a juventude com propostas piores e mais drásticas que a proposta de Michel Temer de 2017 que fez,  a classe trabalhadora e a juventude organizarem, como resposta, a maior greve geral da história do Brasil e impedir este ataque.

Entrevista com o ex-presidente Lula

Entrevista com o ex-presidente Lula

Depois de 1 ano da prisão política de Lula. Uma prisão sustentada em farsas com o objetivo de tirar Lula da disputa eleitoral, farsa que abriu o caminho para o presidente de mesa de botequim e os “tchutchuca” do imperialismo norte-americano. O STF permitiu que Lula desse entrevista depois de ter negado inúmeras vezes no ano passado. “Fico preso cem anos. Mas não troco minha dignidade pela minha liberdade” Lula segue de pé, e nós seguimos lutando pela sua liberdade e pelo desmascaramento dessa farsa. Seguimos firmes na defesa da previdência e contra a prisão de Lula, afinal, por Lula livre é a luta contra a reforma da previdência.

Em Palmeira dos Índios-AL, estudantes da UFAL se mobilizam em memória de Marielle

Em Palmeira dos Índios-AL, estudantes da UFAL se mobilizam em memória de Marielle

Na manhã e tarde dessa quinta-feira (14/03), dezenas de estudantes da UFAL, unidade Palmeira dos Índios se reuniram no pátio em uma oficina de cartazes. Mobilizada pela Juventude Revolução do PT, pelo DCE UFAL, pelo Centro Acadêmico Maninha Xucuru-Kariri e pela ENESSO (Executiva Nacional dos Estudantes de Serviço Social), a atividade foi realizada em homenagem a memória de Marielle Franco, lembrando que um ano se passou desde sua morte e a justiça ainda não deu uma resposta sobre quem mandou matar Marielle. Também foi lembrado nos cartazes a prisão política de Lula e de que este é um momento de resistir contra a reforma da previdência. Durante a atividade, distribuímos panfletos sobre como esta reforma ataca duramente as mulheres. Aproveitamos para convidar o pessoal para estar junto conosco no ato do dia 22 de março – Dia Nacional de Luta em defesa da Previdência, o que animou os estudantes para defender o direito de um futuro digno. Clara, militante da JR do PT-AL

Nota do Partido dos Trabalhadores: Crueldade contra Lula

Nota do Partido dos Trabalhadores: Crueldade contra Lula

A decisão do Supremo Tribunal Federal, reconhecendo o direito legal de Lula, chegou tarde demais para que ele acompanhasse o sepultamento do irmão mais velho. A decisão também impôs restrições ao encontro de Lula que inviabilizavam a possibilidade dele ver o irmão pela última vez e estar com seus entes queridos no momento. Uma dessas restrições era a de que o encontro ocorresse em uma unidade militar. Quando a decisão foi divulgada, Vavá já estava sendo sepultado. As condições do corpo não permitiam aguardar os rituais da burocracia. A perseguição ao ex-presidente Lula não tem fim e neste episódio rebaixou-se ao nível da crueldade e da vingança. A Polícia Federal de Sérgio Moro negou autorização para Lula acompanhar o velório do irmão Genival (Vavá) Inácio da Silva, que faleceu de câncer na terça (29) e foi sepultado hoje às 13 h. O artigo 120, parágrafo 1o., da Lei de Execução Penal garante a todo cidadão participar dos funerais de familiares: irmãos, pais e filhos. Esse direito legal e humanitário, que atende a todos os cidadãos, foi negado a Lula pelos mesmos perseguidores e carrascos que o condenaram e prenderam ilegalmente, para impedir que fosse eleito presidente da República. A autorização para Lula participar do velório do irmão era um ato meramente administrativo, conforme a lei. O responsável pela garantia desse direito era o delegado Luciano Flores, atual superintendente da Polícia Federal no Paraná, onde Lula está cumprindo sua injusta e ilegal pena de prisão. Ao receber petição da defesa de Lula para o comparecimento ao velório de Vavá, o delegado Flores alegou verbalmente que não tinha condições logísticas e materiais para transportar o ex-presidente até São Bernardo. No dia 4 de março de 2016, no entanto, o mesmo delegado Flores deslocou-se em avião da PF até São Bernardo, com uma grande equipe da Lava Jato, para submeter Lula a uma condução coercitiva ilegal no aeroporto de Congonhas. O atual ministro da Justiça, Sergio Moro, que determinou a condução coercitiva em 2016, nada fez para que seu subordinado cumprisse a lei. Ambos são cúmplices, junto com os procuradores da Lava Jato, da farsa judicial que levou Lula à prisão, sem ter cometido crime algum, sem acusações plausíveis e sem provas. Diante de mais esta agressão à lei e aos direitos de Lula, a defesa apelou sucessivamente à juíza responsável pela execução penal e ao desembargador de plantão no TRF-4. Ambos, com grande morosidade, reafirmaram sua notória parcialidade contra o ex-presidente Lula, submetendo-o a um regime de exceção por motivos claramente políticos. Lula já foi perseguido, falsamente acusado, condenado sem provas, teve negado o direito de disputar as eleições, de dar entrevistas, receber visitas religiosas e até de nomear seus próprios advogados. Negar-lhe, por ação, protelação ou omissão, o direito de compartilhar, com a família e os amigos, as despedidas ao irmão mais velho é um gesto mesquinho, além de ilegal, que reforça sua condição de preso político, vítima de odiosa armação jurídica. Nem mesmo a ditadura foi tão cruel e mesquinha