Março Vermelho: Por direitos, por futuro!

Março Vermelho: Por direitos, por futuro!

Todo ano a Juventude Revolução se propõe a construir o Março Vermelho, uma série de atividades dedicadas a relembrar a luta das mulheres e construir sua luta nos dias atuais. Se nesse tempo as mulheres trabalhadoras travaram grandes batalhas hoje enfrentamos batalhas diferentes mas igualmente grandes. O sistema capitalista de hoje, na fase dos monopólios, o imperialismo, não consegue atender as necessidades da população num geral e consegue atender ainda menos as demandas específicas das mulheres. Nossa luta está inteiramente ligada à luta pelo fim da exploração de classe porque são as mulheres, sobretudo negras, que predominam nos serviços mais precarizados, por exemplo, com as relações de trabalho mais instáveis e desprotegidas.

Após décadas, Chile aprova gratuidade do ensino superior

Após décadas, Chile aprova gratuidade do ensino superior

Após décadas sob um sistema educacional construído na ditadura de Augusto Pinochet, o congresso Chileno aprovou no dia 24 de janeiro, a lei do ensino superior que estabelece a gratuidade universal. Vigente desde 1980, o sistema educacional chileno tirou a responsabilidade de fornecer uma Educação pública, gratuita e de qualidade. Destruiu as universidades públicas e jogou a formação superior nas mãos da iniciativa privada com uma das mensalidades mais caras do mundo.

Privatização a vista: UFSC Joinville sob ameaça

Privatização a vista: UFSC Joinville sob ameaça

Os ataques à juventude não param, após a aprovação da PEC do Fim do Mundo (PEC55), da Reforma do Ensino Médio (MP746), da Terceirização Irrestrita (PL 4302) e tramitação no Congresso das Reformas Trabalhistas e da Previdência o governo golpista de Michel Temer, inicia-se mais uma escalada contra a juventude com o projeto-modelo de privatização dos serviços acadêmicos através da aplicação da chamada PPP (Parceria Público Privada) para o término das obras da UFSC em Joinville.

Golpistas cortam 29% do FIES

Golpistas cortam 29% do FIES

O ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou corte de 29% no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil). Com isso o corte no teto de financiamento mensal vai de R$ 7 mil para R$ 5 mil. Isso é equivalente a um corte de R$ 12 mil por pessoa num semestre, sendo o orçamento de antes de R$ 42 mil e agora R$ 30 mil semestral, o que dificulta acesso aos cursos de Medicina nas Universidades Privadas. Além disso o Fies, neste ano, oferece apenas 150 mil vagas, 100 mil vagas a menos do que no ano de 2016. De acordo com a senadora Regina Sousa (PT-PI), que já foi professora, ”o corte pegou muita gente de surpresa e vai aumentar a concorrência.” Isso significa deixar muitos jovens de fora da busca pela especialização; isso significa negar à boa parte da juventude o acesso à educação superior. É um absurdo! Num momento em que a política golpista de Temer anuncia corte de 45% das verbas destinadas às Universidades Federais e outros cortes na educação em geral dificulta o acesso nestas Universidades. E como o aumento do desemprego faz com que boa parte dos jovens tenham que trabalhar para poder ajudar em casa, eles têm menos chance de ter acesso a Universidade Privada sem uma ajuda do governo, o que dificulta ainda mais com o corte de mais de 60% nas vagas do Fies. E para reverter estes cortes como os outros ataques desferidos pelos golpistas contra a juventude e trabalhadores (como a PEC 55 que congela investimentos nas áreas sociais por 20 anos aprofundando o caos social) faz todo sentido a CNTE e ANDES tirarem o dia 15/03 para o começo da Greve Geral na Educação, um passo no sentido da Greve Geral por “Nenhum direito a menos” como propõe a CUT. A Juventude Revolução se dispõe a construir essa luta, lado a lado com os estudantes, mobilizando escolas, grêmios e a juventude a resistir aos ataques do governo golpista. Nenhum direito a menos, Fora Temer! Leonardo Ladeira, Militante da JR-RJ

Abaixo a repressão! Fora Temer, nenhum direito a menos! A luta continua!

Abaixo a repressão! Fora Temer, nenhum direito a menos! A luta continua!

No dia 29 de novembro, cerca de 20 mil pessoas se concentraram em Brasília para protestar contra a PEC 55. A grande maioria era de estudantes, universitários e secundaristas vindos de diversas ocupações, escolas e universidades do país. Havia ainda sindicatos como a CUT, Andes, Fasubra e outros. O ato foi encerrado pela brutal repressão da polícia militar. Enquanto a PM massacrava os manifestantes do lado de fora, no interior do congresso os senadores se preparavam para o massacre do povo por 20 anos, através do congelamento das verbas em saúde, educação e outras áreas sociais, para desviar recursos para o pagamento de juros da dívida pública.