Nota de repúdio a ação de despejo contra a ocupação Jardim das Oliveiras

Nota de repúdio a ação de despejo contra a ocupação Jardim das Oliveiras

No Brasil pelo menos 6 milhões de famílias não têm acesso à moradia, enquanto isso mais de 6 milhões de imóveis estão desocupados. Milhares de pessoas que diariamente reivindicam seu direito a um teto, através de movimentos organizados essas famílias ocupam imóveis e terras improdutivas, muitas vezes propriedades da União que por lei deveriam ter funções sociais.

Comitê internacional debate a resistência dos trabalhadores do mundo todo

Comitê internacional debate a resistência dos trabalhadores do mundo todo

Entre os dias 28 e 30 de novembro do ano passado, em Paris, aconteceu o 2° Encontro da Comitê Internacional de Ligação e Intercâmbio – CILI, cuja responsabilidade foi de debater a resistência internacional dos trabalhadores do mundo todo em resistência aos ataques do imperialismo. Com delegados de 4 continentes, a CILI adotou a seguinte declaração:

Resistência e greve no Rio Grande do Sul

Resistência e greve no Rio Grande do Sul

Há cerca de 1 mês, os funcionários e professores da educação estadual do Rio Grande do Sul decretaram greve contra o pacote da reforma estrutural do estado do governador Eduardo Leite (PSDB). São oito projetos que incluem alterações que afetam o magistério, forças de segurança – Brigada Militar, Polícia Civil, Susepe e IGP – e servidores. Entre as maldades, se inclui o fim do Plano de Carreira dos professores, reajuste zero por tempo indeterminado, entre outros. Leite já não se contenta com os cortes vindos do governo federal e continua precarizando a educação pública com cortes de verbas para investir em estrutura das escolas gaúchas e em um pacote de ataque aos direitos dos servidores públicos, este sendo o estopim para a greve. O fim dos adicionais por tempo de serviço e o corte da incorporação de gratificações na aposentadoria, mostram que Leite quer acabar com os direitos do funcionalismo público. A crise salarial no Estado evidencia o descaso aos servidores públicos e a ambição de Leite à privatização das empresas estatais, vendendo o patrimônio do Rio Grande do Sul e deixando este cada vez mais à mercê do mercado. A crise no Estado, evidentemente, não foi criada pelo funcionalismo público, porém, o governo tenta jogar a responsabilidade para o povo fazendo com que a classe trabalhadora pague a conta.Os educadores gaúchos são os principais prejudicados por tal pacote de ajustes. Estes, que já vivem uma realidade de parcelamento de salário a mais de 48 meses, desde o governo de José Ivo Sartori (MDB), veem seus pagamentos serem suprimidos por empréstimos de antecipação salarial e estão a 5 anos sem reajuste neste, com o pacote, sofrerão mudanças drásticas que resultarão no fim de seu plano de carreira. Isso reflete a total imprudência do governador com a educação e a falta de perspectiva que assola os jovens de todos os cantos do estado. Os ataques ao povo gaúcho Em todo o Rio Grande do Sul, escolas em regiões periféricas e principalmente escolas do campo, estão sendo fechadas, impossibilitando os estudantes de frequenta-las e fechando a porta do ensino, principalmente para os mais pobres, que não tem condições de acesso às escolas longe de suas casas ou nos centros urbanos.  A ameaça de adesão ao projeto de escolas cívico militares, o qual Eduardo Leite já sinalizou ser favorável, destrói a liberdade de organização, expressão e reprime os estudantes, com o autoritarismo pairando sob nossas cabeças. Algumas escolas do estado já relatam a catástrofe desta realidade, que impõe medo e repressão aos jovens. Em resposta às mobilizações, o governo apresenta a repressão e ameaça de retirada de direitos No dia 27/11, o governo Leite apresentou, por meio do Diário Oficial do estado, uma reorganização da grade curricular que apresenta ser similar e a aplicação à nível estadual da Reforma do Ensino Médio, aprovada em 2017.  Esta medida é um novo ataque que pretende desmantelar a educação e precarizar o ensino.  A mudança apresentada na Portaria N°289/2019 prevê a flexibilização da grade curricular, diminuindo a

JR do PT no DCE da UFJF

JR do PT no DCE da UFJF

A chapa Todo Mundo no DCE, formada pelas forças que compunham a última gestão, estudantes independentes e o bloco da JPT (Juventude Revolução do PT, Kizomba, Enfrente e EPS) venceu a eleição do Diretório Central dos Estudantes da UFJF. A Juventude Revolução se baseou em cinco pontos principais para a formulação do bloco petista, do agrupamento de estudantes e posteriormente a chapa, sendo, Lula Livre (com anulação dos processos), pelo fim do governo Bolsonaro, pela autonomia universitária, pela soberania nacional (por ex, Reestatização da Vale) e contra o future-se. Além disso pautamos a campanha pelo passe livre e a por melhorias na moradia estudantil. O processo que foi composto por duas chapas começou no dia 05 de novembro e o resultado final foi anunciado no início da manhã do dia 22 de novembro dando a vitória para a chapa 1 por 1979 contra 985 da chapa 2. A vitória com quase mil votos de diferença demonstra o profundo diálogo com as mais diversas representações estudantis da universidade, o que já havia ficado claro na inscrição de chapa, quando 513 estudantes apoiaram nossa reeleição. As lutas para o próximo período já se apresentam de forma muito clara no horizonte. Sendo a luta pela posse do reitor eleito na consulta pública com mais de 7 mil votos dos estudantes e confirmada no conselho superior da UFJF. É preciso um DCE forte e articulado para enfrentar o governo Bolsonaro inimigo declarado da educação e da classe trabalhadora. Julia Machado – militante da JRdoPT de Juiz de Fora-MG

Bolsonaro ataca o emprego da juventude

Bolsonaro ataca o emprego da juventude

No dia 12/11/2019, foi publicada a Medida Provisória (MP) 905 do governo de Bolsonaro, que institui o “Contrato de Trabalho Verde e Amarelo”, alterando a legislação trabalhista, para os jovens de 18 a 29 anos de idade. A situação do emprego na juventude brasileira é grave. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 40,8% dos jovens (18 a 24 anos) fazem parte do grupo de subutilizados (estão desempregados, desistiram de procurar emprego ou tem mais disponibilidade de trabalhar por mais horas na semana). A justificativa do governo Bolsonaro para editar essa MP é melhorar esse grave cenário. Ora, quando o golpista Michel Temer aprovou a reforma trabalhista no Congresso Nacional, o argumento era a melhora do desemprego. Passados dois anos, o desemprego continua o mesmo e os golpistas voltam com o mesmo argumento? Quais são os ataques previstos na MP? A MP publicada por Bolsonaro, na verdade, precariza o trabalho e não vai melhorar em nada a situação da juventude. Uma empresa poderá contratar até 20% do seu quadro de funcionários sob o novo modelo. Vamos aos principais problemas: As empresas não precisarão pagar sua parte (20%) na contribuição para a Previdência Social e Seguridade, o que significa menos dinheiro para o Regime Geral de Previdência Social (RGPS), ou seja, menos dinheiro para sustentar a aposentadoria dos trabalhadores. Ora, o argumento para fazer a contrarreforma da previdência era um “rombo” insustentável nas contas. Os trabalhadores jovens contribuirão, mas os patrões serão isentos. Mais uma vez, Bolsonaro mostra em qual bolso ele quer meter a mão. Os patrões também serão desobrigados a pagar o salário educação! O valor arrecadado com esse direito constitucional é uma das fontes de financiamento da educação básica! Ou seja, menos dinheiro para as escolas públicas! A contribuição no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos empresários, nesse novo modelo, será de 2%. Antes, ele tinham que pagar 8%! Já a multa do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) por demissão sem justa causa será de 20%, se tiver “acordo” entre o jovem e o patrão. Para completar, Bolsonaro e seu ministro Paulo Guedes tiveram a brilhante ideia de financiar esse programa tirando grana do seguro-desemprego! Exatamente isso! Ele vai financiar a contratação de novos empregos, tirando dinheiro dos desempregados! É… a cara nem arde! Enquanto tira do pobre, garante que os patrões e grandes empresários lucrem mais, contratando jovens com baixos salários e sem direitos. É necessário manter a resistência. A unidade contra essa MP é fundamental para combater todos os ataques que anda virão. Só assim poderemos derrotar o governo e abrir uma perspectiva de futuro para a juventude. Rodrigo Lantyer, membro do Conselho Nacional da JR do PT.

JR do PT participa de assembleia estudantil em São Leopoldo (RS)

JR do PT participa de assembleia estudantil em São Leopoldo (RS)

 Nesta sexta-feira, 22/11, a JR do PT, em São Leopoldo (RS), esteve presente no ato em defesa da educação que ocorreu em frente da 2° Coordenadoria Regional da Educação (CRE) e na Assembleia dos Estudantes Leopoldenses, para qual mobilizamos e ajudamos a organizar. A Assembleia tinha o objetivo de fazer com que todos os estudantes das escolas de São Leopoldo pudessem dialogar e tirar atividades de apoio à greve. Participaram diversas escolas com vários estudantes: I.E.E. Pedro Schneider, CEEPRO Visconde de São Leopoldo, E.E.E.M Caic Madezzati, E.E.F Firmino Acauan, E.E.E.M Mello Haydée Rostirolla, E.E.E.F. Doutor João Daniel Hillebrand, E.E.E.F Augusto Meyer, entre outras.   Ao lado dos educadores e seu sindicato, nós, estudantes discutimos sobre a atual situação, o caráter dos ataques promovidos pelo governo de Eduardo Leite no estado do RS, alinhado com a política de Bolsonaro a nível nacional, aos serviços públicos e sobre a organização do movimento estudantil na cidade. Discutimos sobre a greve do funcionalismo público, colocando em evidência a importância do apoio dos alunos secundaristas nessa luta.  Estamos elaborando uma agenda de mobilizações para os próximos dias, juntamente aos servidores públicos em greve.  Núcleo de secundaristas, São Leopoldo (RS). 

Itaberaba (BA): JR do PT discute resoluções da Plenária Nacional

Itaberaba (BA): JR do PT discute resoluções da Plenária Nacional

No dia 20.11, o núcleo da JR do PT de Itaberaba (BA) se reuniu para discutir as resoluções da Plenária Nacional. O debate foi extremamente rico e produtivo. As discussões giraram em torno dos ataques do governo autoritário de Bolsonaro e qual a forma que nós temos de combater este governo. Uma militante disse: “tirar Bolsonaro pra botar Mourão, Maia? Vai resolver o quê?”. E ela tem razão! Seria trocar seis por meia dúzia, como diz o povo. Afinal, o programa de ataques aos direitos seria o mesmo. Resistir a esse governo passa por organizar uma JPT autônoma, sem amarras de parlamentares, tomando suas próprias iniciativas. Os militantes discutiram a necessidade da juventude organizar sua própria luta. Eleições DCE UNEB Por fim, conversamos um pouco sobre as eleições do DCE UNEB. A JR do PT participa da Chapa 2 – Cantos de Renovação, que defende a liberdade de Lula, a luta contra o governo autoritário de Bolsonaro, bem como defende que Rui Costa, governador do PT, deve reorientar sua política e atender os interesses do povo. Rodrigo Lantyer, membro do Conselho Nacional da JR do PT.

JR do PT participa de batalha de Rap em Cruz das Almas (BA)

JR do PT participa de batalha de Rap em Cruz das Almas (BA)

No dia 20 de novembro, os militantes da JR do PT do núcleo em Cruz das Almas – BA participaram de uma atividade cultural rítmica promovida pelos discentes da UFRB conhecida como ” Batalha da Escola “. Na oportunidade, houve distribuição de panfletos para que possibilitasse à abertura de um diálogo com os jovens e trabalhadores da cidade sobre a relevância do dia da Consciência Negra, trazendo a luta de Zumbi dos Palmares, o que implica em continuarmos avançando na luta contra o racismo, genocídio da juventude negra, melhores condições de vida e saúde para a população negra do país. O fato de os números da violência contra esse grupo na Bahia serem alarmantes acabou despertando em nós o interesse de falar com as pessoas a respeito do número de homicídios realizados contra jovens negros – que constantemente são vítimas da Polícia Militar. Por isso, utilizamos a música como difusor de informação e aproveitamos o momento para expor o motivo pelo qual defendemos a desmilitarização da polícia. Os números não mentem: a juventude negra sofre um genocídio. Está mais do que claro que dessa forma não dá. É preciso dar um basta, pois a juventude negra quer viver! Diego Peixoto, militante da JR do PT em Cruz das Almas, Bahia.

Em Arapiraca-AL, estudantes da UNEAL discutem sobre as explosões sociais na América Latina e no mundo

Em Arapiraca-AL, estudantes da UNEAL discutem sobre as explosões sociais na América Latina e no mundo

A fim de discutir o presente momento da América Latina e todas suas contradições histórico-econômicas, a roda de conversa Revoltas e Explosões Sociais na América Latina e no Mundo, promovido pela Juventude Revolução do PT (JRPT) e o Grupo de Estudos História e Movimentos Sociais (GEHMOV), aconteceu no dia 14 de novembro na Universidade Estadual de Alagoas Campus 1 (UNEAL – Arapiraca). A atividade discutiu as questões sociais e de luta de classes que estão explodindo no mundo inteiro, graças a política de destruição de direitos adotada pelos países imperialistas. Porém, a juventude e a classe trabalhadora estão resistindo na defesa dos direitos. Seja na França, na Argélia, no Líbano, Equador, Venezuela, Chile, Bolívia… os povos estão de pé lutando.   A JRdoPT aproveitou o evento para vender lanches e cartilhas com o objetivo de arrecadar fundos para mantermos nossa autonomia e independência financeira, havendo assim mobilização não apenas do núcleo UNEAL, mas também dos demais núcleos presentes em Arapiraca-AL. Por fim, após a fala dos palestrantes, ainda foi passado um abaixo-assinado em apoio a libertação da companheira Luisa Hanune, militante do Partido dos Trabalhadores da Argélia e que, assim como Lula, enfrenta uma perseguição e prisão política por defender os interesses da classe trabalhadora em detrimento da elite. As considerações finais dos palestrantes apontaram para a necessidade da juventude se organizar para resistir contra os ataques que estamos sofrendo aqui no Brasil e para as explosões que estão por vir. Willames, militante da JR-AL