Garantia de bolsas e funcionamento do RU na UFJF em tempos de Pandemia.

Garantia de bolsas e funcionamento do RU na UFJF em tempos de Pandemia.

São 59 mortos e 2.555 infectados pela COVID-19 no Brasil até 25/03, segundo o portal G1. O vírus que se alastra pelo território nacional e leva estados e municípios a aderirem planos emergenciais de prevenção é motivo de piada para o governo federal. Bolsonaro em rede nacional, incentivou as pessoas a quebrar a quarentena, além de denominar o vírus que coloca o mundo todo em alerta de “gripezinha”. Na contra mão do que o povo precisa, Bolsonaro tentou empurrar goela à baixo a MP 927, quis suspender contrato de trabalho por 4 meses, fazendo o trabalhador sair com uma mão na frente e outra atrás. Em meio a este cenário as universidades publicas são obrigadas a suspender suas atividades, afim de evitar aglomerações e, consequentemente, a propagação da COVID-19. Neste momento, aos estudantes se deparam com uma série de problemas, como a Assistência Estudantil. Bolsas, Restaurantes Universitários, Moradias são ameaçadas em todo Brasil, o que exige de nós organização para garantir as condições necessárias para que os estudantes possam passar por este momento conturbado. Na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), o DCE conseguiu garantir a permanência das Bolsas de Iniciação Cientifica (IC), Treinamento Profissional (TP) e as destinadas a Assistência Estudantil, organizadas pela PROAE. Além das bolsas, foi garantido alimentação para os alunos do Campus de Governador Valadares e para os alunos da Moradia Estudantil no Campus Juiz de Fora. O debate se deu no Conselho Superior (CONSU) do dia 17 e 18/03, onde a JRdoPT esteve presente apoiando o DCE. No quadro do CONSU ainda foi garantido via resolução Nº10/2020, o impedimento da substituição das atividades relativas a disciplinas presenciais para plataformas de ensino a distância, garantindo assim a qualidade de ensino e o acesso democrático a todos, visto que uma parcela dos estudantes não tem acesso regular a internet. Ações como essa servem para mostrar como a juventude se defender nessa situação, como fez o DCE da UFJF que ocupou o Conselho Superior da universidade com as pautas dos estudantes, as condições para que os alunos da UFJF possam permanecer em casa de forma digna foram garantidas. Com as bolsas e a Alimentação garantidas a quarentena dos alunos se viabiliza. Mais que nunca, em momentos de dificuldade, é a hora de fortalecer as entidades estudantis, como os CA’s, DA’s, DCE’s e a UNE, para que a partir delas as reivindicações dos estudantes possam ser levadas a diante. E mais, para que a partir delas possa sair a faísca do movimento para por fim no governo Bolsonaro, inimigo da educação e do povo brasileiro. Yuri Vieira do Vale, militante da JRdoPT em Juiz de Fora/MG

Bolsonaro quer proibir paralisação de call center. Todo apoio aos trabalhadores de teleatendimento!

Bolsonaro quer proibir paralisação de call center. Todo apoio aos trabalhadores de teleatendimento!

Neste dia 21/03, em meio a pandemia do coronavírus (covid-19), o governo federal edita um decreto para incluir como atividade essencial as centrais de atendimento telefônico, os call centers. No texto diz que a interrupção desses serviços “coloca em perigo a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população.”, mas na verdade é o funcionamento normal dessas empresas que colocam em perigo a sobrevivência e saúde dos trabalhadores de telemarketing. Com a paralisação destes serviços, os únicos que correm perigo são os bolsos dos donos das empresas que perderão sua grande fatia do lucro. E como Bolsonaro é amigo do empresários e inimigo do povo, faz esse decreto para conter as paralisações.  Esse decreto vem como resposta às manifestações e paralisações ocorridas nos dias anteriores que afetaram, em vários estados, capitais e cidades do interior, as gigantes empresas de teleatendimento Almaviva, Atento e Teleperformance. Exemplos são os protestos em Belo Horizonte, com cartazes que traziam frases como “fechem os call center”; “não podemos morrer na PA (posto de atendimento)”; em Juiz de Fora/MG, Teresina/PI e em Volta Redonda/RJ, onde cerca de mil trabalhadores da Youtility paralisaram as atividades.  Mesmo a doença tendo matado mais de 12 mil pessoas no mundo, o presidente pensa que é apenas uma “gripezinha”. Diferente dele, o prefeito de Belo Horizonte/MG decretou a suspensão, por tempo indeterminado, de atividades de empresas de teleatendimento e central de telemarketing a partir do dia 23 e o descumprimento da medida pode levar a cassação do alvará da empresa, sendo exceção apenas os teleatendimentos de “serviços médicos, hospitalares, farmacêuticos, laboratoriais, clínicas e demais serviços de saúde”.  Além disso é necessário uma presença maior do sindicato e um canal de denúncia anônima às empresas que não respeitarem tais regras, pois é conhecida a prática das empresas de jogar pra baixo do tapete as irregularidades quando o sindicato ou vigilância aparece nos locais. Dessa maneira pouco custa que empresas desrespeitem as exigências e finjam estarem respeitando quando os órgãos competentes forem averiguar. Um posicionamento da CUT pode ajudar a organizar os trabalhadores de teleatendimento para impedir que sofram as consequências, seja ao contrair a doença ou ser demitido. Ela pode ajudar a organizar os sindicatos de cada região para responder com greves e paralisações como fez o Sindicato dos Trabalhadores de Call Centers (STCC) de Portugal que organiza greve de 24 de março a 5 de abril. Uma resposta a Bolsonaro que impede paralisações e seus lacaios que discutem reduzir em 50% salário dos trabalhadores, ou ainda quando apresenta e depois recua de MP que deixa trabalhadores por 4 meses sem salário. Durante a pandemia do coronavírus, Bolsonaro e seus ministros acentuam o que já vinham fazendo, atacam os trabalhadores, estudantes e mais pobres. Por isso, para defender os trabalhadores de call center precisamos lutar contra todo o governo Bolsonaro, pois enquanto continuar Paulo Guedes, Mourão, Weintraub e cia, continuaremos sendo alvos, continuaremos perdendo direitos e com investimento em saúde e educação sendo reduzidos. 

JRdoPT realiza plenária “UBES é pra lutar” em São Leopoldo/RS

JRdoPT realiza plenária “UBES é pra lutar” em São Leopoldo/RS

A plenária ocorreu no último dia 14 e contou com estudantes secundaristas da região central da cidade, de diferentes escolas. A JRdoPT iniciou explicando um pouco da história da União Brasileira dos Estudantes Secundáristas (UBES) e sua importância e protagonismo no movimento estudantil. Após isso, iniciou-se a discussão da tese, lendo-se parágrafo por parágrafo, comentando e dialogando sobre a importância dela e das pautas colocadas nela, assim como de reforça-la. Na ocasião foi levantado que é importante a UBES defender emprego para toda a juventude, principalmente em momentos como este, onde o pagamento e a garantia dos estágios e jovens aprendizes estão ameaçados.Além disso, também foi reforçada a importância dos grêmios estudantis e de impulsiona-los nas escolas: Vê o relato: “Quando se trata de educação, temos que impor nossos direitos assim como um Grêmio Estudantil nas escolas, a voz do aluno tem q ser ouvida! Em relação à reforma do ensino médio, já é uma forma de desvalorização da educação e isso acaba deixando-a mais precária do que já se encontra! Todo suporte é necessário pra nossa educação “crescer”, temos que lutar por ela, e enaltecer nossos direitos. No Agrícola, estamos na batalha de construir um Grêmio Estudantil desde o ano passado, debatendo com a direção que quer impor as coisas. O Grêmio é uma ferramenta dos estudantes e somente eles podem decidir como vai ser”, Militante da JRdoPT do Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo (Agrícola), que refere também que alunos temem represálias da direção por se organizarem para exigir seus direitos. Logo em seguida a UBES suspendeu seu congresso em função da pandemia do corona. A discussão continua no objetivo de termos uma UBES forte na defesa dos direitos estudantis.  Marcia Damke, militante da JRdoPT no RS

Debate sobre Pacote Anticrime na MULTIVIX

Debate sobre Pacote Anticrime na MULTIVIX

No dia 11 de março, a gestão do Centro Acadêmico de Direito da Faculdade Brasileira (CADAM) realizou um debate com três advogados e professores criminalistas para tratar sobre as alterações no Código Penal e no Código de Processo Penal Brasileiro a partir da aprovação do denominado “Pacote Anticrime”, proposto pelo ex-juiz federal e atual “superministro” da justiça do governo federal, o fascistóide Sérgio Moro. A palestra é mais uma iniciativa do CA para atender a uma demanda antiga dos estudantes do curso para que sejam realizadas mais palestras na faculdade, com intuito de aprimorar a qualidade de ensino ofertada. Além disso, a gestão optou por realizar a atividade a noite, atendendo os estudantes do noturno, geralmente os mais prejudicados pela ausência de atividades acadêmicas que, quando ocorrem, geralmente são organizadas apenas durante a manhã, horário em que a maior parte dos estudantes do noturno estão trabalhando. Com a presença de mais de 200 alunos e vagas do auditório esgotadas, a palestra foi um sucesso e cumpriu seu objetivo. Pôr quase três horas os palestrantes tiveram a oportunidade de apresentar as principais alterações provocadas pela Lei 13.964/2019 e as suas consequências práticas para os brasileiros e para a já desumana e dramática situação carcerária do país. O primeiro aspecto que chama atenção é o profundo caráter ideológico que envolve o pacote, a começar pelo próprio nome pretensioso escolhido para denominá-lo e o uso de palavras como “aperfeiçoamento” no texto da lei. Mas o que realmente assombra são as alterações de natureza punitivista que passarão a valer, que vão desde endurecimento brutal e irracional das penas até a negação de direitos fundamentais de um Estado Democrático de Direito. Dentre essas alterações, podemos citar rapidamente algumas, como: – A transformação do crime de furto mediante explosivo em crime hediondo: sim, um crime que é praticado contra o patrimônio, não contra a pessoa, como ocorre contra o caixa eletrônico de bancos, sem violência ou grave ameaça, passa a ser considerado crime hediondo. É a banalização do “crime hediondo”. Será que o insignificante prejuízo dos banqueiros com a explosão de um caixa eletrônico vale a condenação por crime hediondo de um ser humano? – O aumento da pena máxima de encarceramento de 30 para 40 anos: a justificativa para isso segundo o “superministro” seria, pasmem, o aumento de expectativa de vida dos brasileiros. Ou seja, se os brasileiros estão vivendo mais, por que não ocupar um pouco mais deste tempo de vida na cadeia? O que poderia facilmente ser algum tipo de piada de um filme tragicômico de uma realidade distópica, se torna de fato realidade, como parece ser o rumo dos acontecimentos no Brasil desde o golpe de Estado de 2016. O conjunto das alterações pode ser acessado no link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13964.htm Oposição pra reduzir danos? A maioria dos parlamentares do PT, PCdoB e PSOL votaram A FAVOR deste projeto de lei macabro do Moro, depois de algumas alterações no projeto original, numa política de “redução de danos” que nada tem haver com o interesse

Cortes na educação geram cortes no FIES

Cortes na educação geram cortes no FIES

Bolsonaro quer destruir os serviços públicos e entregar pra privatização. Um dos setores mais atacados é a educação. Os cortes que geram a precarização nas universidades públicas também afetam os estudantes das particulares. Cresce cada vez mais o número de disciplinas EaD nas grades curriculares de cursos presenciais e as taxas sobre disciplinas encarecem junto a mensalidade e, cada vez mais, as faculdades têm menos estrutura para receber os alunos. O mesmo MEC que permite que as faculdades presenciais ofereçam disciplinas obrigatórias à distância, piorando o ensino pra aumentar o lucro, anuncia a redução de vagas no FIES pela metade, de 100 mil vagas oferecidas passando para 54 mil. Muitas faculdades já abrem semestres anunciando que não possuem essas mesmas vagas. O ministério que já tinha mudado as regras pra dificultar o acesso dos jovens ao programa agora alega que precisa reduzir as vagas por conta dos cortes. A ausência do FIES obriga muitos jovens de baixa renda a sair da faculdade por não conseguir pagar a mensalidade. Com o aumento constante das mensalidades e corte dos poucos programas de auxílio que existem, os estudantes que já trabalham pra se manter vêem a realidade do diploma na mão cada vez mais distante. Vamos resistir a essa situação de ataques. Dia 18 estaremos nas ruas lutando contra o governo Bolsonaro em todo o país. Somos contra os cortes na educação. Somos contra o corte de vagas no FIES. Quem entrou, quer formar. Quem ainda não entrou, quer entrar. Marina Cordeiro, militante da JR do PT em Juiz de Fora

Solidariedade à Ocupação em Douglas Rodrigues em São Paulo

Enviamos esta moção em solidariedade à Ocupação Douglas Rodrigues na Vila Maria que corre o risco de ver 2 mil famílias jogadas na rua para beneficiar uma empresa fraudadora que faz parte de um grupo econômico condenada na Justiça Federal em Pernambuco por débitos com Fazenda Nacional em mais de 1 Bilhão de reais. MOÇÃO DE SOLIDARIEDADE À OCUPAÇÃO DOUGLAS RODRIGUES EM VILA MARIA Ao Prefeito de São Paulo, Sr. Bruno Covas Cientes da ameaça de despejo que pode colocar milhares de pessoas na rua sem ter para onde ir, em razão da retomada por parte do judiciário paulista da ação de reintegração de posse (processo 0017117-29.2013.8.26.0008 TJsp) que beneficia uma empresa de fachada – criada para ocultar patrimônio, nos manifestamos em defesa de que a Prefeitura adote a medida jurídica de arrecadação (lei federal 13.465/2017) desse imóvel, já que o mesmo estava abandonado a mais de 20 anos.

Ato público contra o fechamento da EE Nilo Póvoas

Ato público contra o fechamento da EE Nilo Póvoas

Na terça-feira, 18/02, os estudantes que ocupam a Escola Estadual Nilo Póvoas, em Mato Grosso, organizaram ato público contra a proposta unilateral de fechamento da unidade escolar por parte do governo Mauro Mendes (DEM), que simplesmente retirou a escola do sistema de matrículas com o motivo de corte de gastos pelo fato da escola “ser ociosa, com baixo rendimento e com alto índice de evasão”. Após 8 dias de ocupação, a secretaria de educação chamou os estudantes para negociar, nesta quinta-feira, 19. A disposição dos estudantes ocupados é de fazer um verdadeiro enfrentamento para barrar o fechamento da escola, bem como evidenciar que não aceitarão nenhuma escola a menos. Os estudantes não aceitam! Não aceitam esse atestado de incompetência e a ingerência do governo do estado, aliado de primeira hora de Bolsonaro. A JR do PT de Cuiabá está na luta contra o fechamento da escola e apoia a ocupação, para ajudar o movimento a ser vitorioso estamos propondo uma moção de apoio à campanha contra fechamento da escola direcionada ao governador para ser assinada por entidades representativas do país todo. Assine na sua entidade também. Pega no link: https://docs.google.com/document/d/1HkwCiFG3X88fxq51RqCBU_tczoSt7g0xzWCTlYZHigc/edit?usp=sharing A luta é política: JrdoPT presente! A JrdoPT tem atuado no interior do movimento explicando a necessidade de organizar a luta contra o governo Bolsonaro e seus aliados, como Mauro Mendes, que aplicam a política de destruição dos nossos direitos. Um estudante comentou com a gente o seguinte: “foi vendo como a JR atua e se organiza que vi a importância da luta política. E foi com a JR que eu conheci o PT”. É nessa via que contribuímos na luta em defesa dos direitos da juventude em Mato Grosso e em todo país. Participe com a gente do 43° Congresso da UBES. Queremos derrotar o governo Bolsonaro e todos os seus aliados golpistas. Vem com a gente! Filie-se no PT! Leonardo Rondon – militante da JRdoPT em Cuiabá-MT

No Espirito Santo, JRdoPT se soma a luta dos petroleiros!

No Espirito Santo, JRdoPT se soma a luta dos petroleiros!

No Espírito Santo a Juventude Revolução entrou com tudo no movimento de greve dos Petroleiros, que já completa quase 20 dias de paralisação, a maior greve desde a histórica greve dos petroleiros de 1995. Na quinta-feira (13/02) a JR esteve presente pela manhã no piquete da categoria, que ocorreu em frente a uma das estações de embarque, na capital, Vitória. Com mais de 100 petroleiros presentes, de várias plataformas e unidades da empresa, os trabalhadores faziam o esforço de conscientização e convencimento dos petroleiros da plataforma 56, que embarcariam naquele dia. Com o apoio e participação da JR, após várias horas de muita conversa e solidariedade, os petroleiros da plataforma 56 resolveram aderir ao movimento, somando-se aos vários outros trabalhadores que ali estavam. A notícia foi recebida com muito entusiasmo e comemoração pelos trabalhadores, que correram para abraçar seus colegas e recebê-los na luta. Com isso, todas as principais e mais produtivas plataformas do ES estão paralisadas, restando apenas 02 unidades do interior, que ainda estão em processo de conversa. Nem mesmo a panfletagem caluniosa organizada pela direção da empresa, que contratou uns capangas para difamar e intimidar o movimento na área de embarque dos trabalhadores, dizendo que a greve é ilegal e que não teria motivo, serviu para confundir ou amedrontar os trabalhadores. No sábado (15/02) pela manhã, a JR participou da grande plenária de informes e agitação dos petroleiros, organizada pelo SINDIPETRO/ES, no local de embarque para as plataformas, que foi adotado como um “QG” dos trabalhadores, local onde se reúnem e fazem a maior parte das atividades da greve. Nesta Plenária, centenas de petroleiros e seus familiares se reuniram para ouvir os informes da situação da greve a nível local e nacional e quais os próximos passos do movimento. Além disso, a atividade contou com a participação do Deputado Federal Helder Salomão (PT/ES) e de sindicalistas de várias outras categorias, que foram prestar sua solidariedade e apoio ao movimento, com intervenção do deputado e de representantes do sindicato dos correios e sindicato dos técnicos. A JR também interviu e foi recebida com entusiasmo pelos grevistas. Por fim, na segunda-feira (17/02) pela manhã, a JR esteve mais uma vez presente, desta vez no ato público convocado pelo SINDIPETRO em frente ao principal prédio administrativo da Petrobrás no estado, localizado em uma das avenidas mais movimentadas da capital. Na ocasião, a JR fez duas intervenções no microfone, a pedido dos próprios petroleiros. O ato também recebeu a visita de um dos petroleiros demitido da FAFEN (fábrica no Paraná), “16 anos como técnico de Operação na FAFEN, pai de 3 filhas, trabalhador”, como ele mesmo se intitula, o companheiro contou o drama que as mais de 1000 famílias de trabalhadores demitidos da FAFEN estão passando, e a felicidade deles em receber todo apoio que estão recebendo da categoria a nível nacional, deixando no final sua mensagem de agradecimento. Em todas as intervenções da JR, enfatizamos o nosso apoio incondicional ao movimento! Chamamos atenção para a importância desta greve, que não

Estudantes ocupam contra fechamento da escola em Cuiabá

Estudantes ocupam contra fechamento da escola em Cuiabá

Os estudantes da EE Nilo Póvoas decidiram ocupar sua escola para mantê-la viva e defender a educação. O Governador Mauro Mendes (DEM), seguindo os passos de Bolsonaro, implementa em MT um política contra a Educação pública, pois já atacou os direitos e a previdência dos servidores públicos estaduais, por meio da reforma da previdência estadual em 2020 e pelo desrespeito a lei 510 e o não pagamento do RGA (revisão geral anual) em 2019. No entanto, encontrou luta e resistência dos servidores que lutaram numa greve histórica de mais de 80 dias. Outro ataque é o fechamento de escolas fazendo os estudantes se deslocarem mais para estudar. Esses e outros retrocessos são consequências do golpe do impeachment e na prisão ilegal de Lula pra facilitar a eleição de Bolsonaro. Queremos um futuro digno pra juventude, por isso lutamos contra esse governo autoritário. Todo apoio à ocupação estudantil da EE Nilo Póvoas! Vem com a JR do PT! Contra o fechamento de escolas em MT!

Defender a Petrobrás é defender nossa soberania!

Defender a Petrobrás é defender nossa soberania!

A greve dos petroleiros vem marcando a luta de classes no Brasil no primeiro semestre de 2020. Negligenciada pela mídia, que não cobre a greve e se recusa a informar o povo o que está em jogo, a greve já conta com adesão de mais de 15mil petroleiros pelo país e caminha para completar sua segunda semana de paralisação. Segunda a Federação Única dos Petroleiros, a FUP, a greve já conta com adesões em todo o Sistema Petrobrás de trabalhadores, trabalhadoras e apoio, até mesmo, de companheiros aposentados. A ação dos petroleiros é uma resposta à política entreguista do governo Bolsonaro que quer entregar a empresa para o setor privado.  Ato na sede da empresa marca primeira semana de greve. No dia 07 de fevereiro foi convocado um ato em frente a sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro. A Juventude Revolução do PT esteve presente para dar apoio aos companheiros em greve e defender esta empresa que é uma riqueza da nação! Nas mesma semana que se comemora os 40 anos do Partido dos Trabalhadores, a greve dos petroleiros é simbólica e mostra o caminho para o enfrentamento a um governo que ataca a soberania nacional e destrói as condições de vida da juventude e dos trabalhadores com desemprego, destruição dos serviços públicos, aumento da violência policial, repressão contra as organizações dos trabalhadores.  Os petroleiros dão resposta ao governo de Bolsonaro e nós, da Juventude Revolução do PT, também afirmamos: “O petróleo é do povo, tire as mãos da Petrobrás”.