Com mais de 200 pessoas, aconteceu ontem (15/10) a Aula Aberta promovida pela Juventude Revolução, MST, FUP e CUT na Universidade Federal de Santa Catarina. Ao longo da agenda de mobilização buscamos extrapolar os limites da Universidade, pois notamos que a discussão deve ser intensificada em todos os lugares. É urgente o fortalecimento do elo entre movimento estudantil e dos trabalhadores para barrarmos o leilão, que está previsto pro dia 21.

Como bem caracterizou o companheiro Renê Munaro, vice-presidente da CUT-SC: “Não se trata de uma luta apenas dos petroleiros, e este ato de hoje representa o interesse dos trabalhadores em abrir o dialogo pela luta […] há muito tempo não via isso na UFSC”. E nisso, cabe as entidades do movimento estudantil como a UNE e a UCE cumprirem seu papel, ocupar um espaço ao qual não preencheram nas jornadas de junho e julho.

Essa foi a marca que ficou: uma discussão a céu aberto com propósito de reunir amplamente jovens e trabalhadores. Por isso estiveram presentes trabalhadores do campo, estudantes secundaristas e universitários, funcionários da própria universidade e representantes de associação de moradores.

Das palavras aos atos
Após 2 horas de debate encaminhamos que Santa Catarina, a exemplo de outros estados, deve ter um Comitê em Defesa do Petróleo que funcionará aberto a todos os interessados em somar na luta. As entidades sindicais propuseram um ato em frente da Petrobras de Itajai já no dia 16/10 e cogitaram a possibilidade, caso haja um numero bom de pessoas dispostas, de caravana ao Rio de Janeiro no dia do leilão.

Leonardo Nürnberg, é militante da JR em Santa Catarina

Aula Pública sobre o Petroleo em Santa Catarina reforça luta contra o Leilão de Libra