Na madrugada de 05 de novembro, a Polícia Militar promoveu uma chacina à juventude negra e pobre de Belém-PA. O “motivo” foi o assassinato do cabo Antônio Marcos da Silva Figueiredo, da Ronda Ostensiva Tática Metropolitana (ROTAM).

Em seu perfil do twitter, o Sargento Rossicley Silva convoca o “máximo de amigos” para “dar uma resposta”. Logo após o assassinato do policial, foram relatados diversos assassinatos em bairros da periferia de Belém. Os números oficiais já contabilizaram 10 mortes. Porém, não oficialmente, já se fala em mais de 30 assassinatos.

Segundo relato do vice-presidente da UNE no Pará, Tony Silva, “a cidade amanheceu em pânico. Escolas suspenderam suas aulas, três das quatro principais Universidades da capital paraense (UFPA, CESUPA e UNAMA) sofreram ameaça de invasão em resposta ao genocídio praticado durante a noite.”

Alguns corpos já foram reconhecidos pelas famílias. Entre eles, um jovem de 16 anos que estava com a namorada e o filho adotivo de um bombeiro. É a juventude negra e pobre que sofre uma chacina! Mas em nota oficial, a PM-PA faz parecer que o assassinato do policial e a chacina dos jovens têm a mesma relevância. E ainda afirma que “irá apurar os responsáveis pela disseminação e compartilhamento de informações inverídicas.”. Não se trata de opor um problema ao outro, mas não é tudo a mesma coisa!

Ora, lógico que o assassinato do policial evidencia a situação deplorável da segurança pública, inclusive para os trabalhadores da polícia que sofrem com a exploração e a hierarquia militar! No entanto, como relembra o site da União Nacional dos Estudantes (UNE): “Em 2012, segundo a prévia do Mapa da Violência 2014, as mortes juvenis (de indivíduos de 15 a 29 anos) provocadas por causas externas (homicídios, suicídios e acidentes) representaram 71,1% do total. No caso da juventude negra, a porcentagem chega ao número alarmante de 76,9%”

Segundo o “Mapa da Violência 2013: Homicídio e Juventude no Brasil, publicado em 18/07 pelo Centro de Estudos Latino-Americanos (CEBELA). […] entre 1980 e 2011, houve um aumento de 326,1% de homicídios no país. A principal causa de mortes não naturais e violentas entre os jovens no Brasil é o homicídio. Em 2011 houve 52.198 homicídios no Brasil, sendo 18.436 jovens e 75% jovens negros.” (sítio da Juventude Revolução, 14.08.13)

Desmilitarização da polícia é urgente! Constituinte do sistema político já!

Casos de violência policial não são incomuns. Que o digam os amarildos e cláudias das periferias! Que o diga a juventude e os trabalhadores que saíram nas ruas em junho de 2013!

A Constituição de 1988, sob influência da Ditadura Militar de 1964, manteve intacta a parte que trata da segurança pública. Foi num decreto da ditadura, em 1969, que a polícia foi militarizada!

As ruas de junho de 2013 demonstraram um fosso entre as aspirações populares e as instituições do Estado. No próximo Congresso Nacional, eleito em 05 de outubro, a chamada “bancada da bala” cresceu, assim como os empresários e latifundiários. Enquanto isso, a nossa representação caiu em 44%. Isso devido ao sistema político herdado da Ditadura!

Por isso, os movimentos sociais se reuniram desde o ano passado e realizam a campanha pelo Plebiscito da Constituinte do Sistema Político, que colheu cerca de 7,5 milhões de votos em favor de uma Constituinte.

Só com a reforma do sistema político, através de uma Assembleia Constituinte Soberana, será possível varrer os entulhos da Ditadura e abrir caminho às nossas reivindicações, como a desmilitarização da polícia, o que seria um primeiro passo para pôr fim a esse genocídio!

A Juventude Revolução se solidariza com os familiares das vítimas dessa chacina e soma forças com todas as organizações de juventude, dos trabalhadores e democráticas que compõem essa luta, exigindo o PRONUNCIAMENTO da presidenta Dilma em repúdio a essa chacina, pelo FIM DO GENOCÍDIO da juventude negra, pela DESMILITARIZAÇÃO da polícia, pelo FIM DOS AUTOS de resistência e em defesa de um PLEBISCITO Oficial da CONSTITUINTE do Sistema Político!

Conselho Nacional da Juventude Revolução

Chacina inaceitável em Belém! Abaixo o Genocídio da juventude! Desmilitarização da PM já!