Brasileiros de diversas cidades no país iniciaram o “próspero ano novo” com uma péssima notícia: o aumento da tarifa do transporte público. Prefeitos e governadores decretaram o aumento que não cabe no bolso do trabalhador e do estudante em pelo menos 8 capitais e 23 grandes cidades.

Este é o resultado de uma situação combinada em que a política de ajuste fiscal que levou o país a recessão em nome do pagamento dos juros da dívida pública, diminuindo a arrecadação de estados e municípios, se junta com a situação do transporte público, em geral, privatizado.

Enquanto eles seguem pagando religiosamente a dívida pública que engorda o bolso de banqueiros e especuladores (apesar do fato de que Haddad tenta renegociar com o governo), nada de tocar no lucro dos patrões mafiosos das empresas de ônibus. O custo passa para o bolso do trabalhador e estudante.

Para economizar gastos, Alckmin tentou fechar escolas e se deu mal. Agora é hora de resistirmos ao aumento da passagem.

Em São Paulo, a passagem de ônibus e metrô passou para R$3,80. Haddad diz que não quer pagar mais subsídios aos empresários e Alckmin acompanha o aumento. Mas porque não cortar do lucro do patrão ao invés de repassar o aumento à população?!

É possível e necessário retomar uma empresa pública de transporte, como a antiga CMTC, tirando das mãos dos patrões mafiosos o controle, rumo a estatização do transporte público!

No ano passado conquistamos o passe livre estudantil para os estudantes de instituições públicas, para os estudantes bolsistas de instituições privadas e para os participantes do FIES.

Mas este passe livre, embora seja uma vitória, é ainda muito limitado, e priva a juventude, principalmente da periferia, de acesso ao lazer, à cultura e ao esporte, que são parte da nossa educação!

O passe-livre funciona através de cotas, que em alguns casos não suprem as necessidades mensais dos estudantes, além de não funcionar no período de férias, como aliás foi prometido. Por isso queremos que Haddad amplie o passe livre estudantil, tornando-o irrestrito!

Por fim, para avançarmos o movimento e sairmos vitoriosos como na luta das escolas e como em junho de 2013, precisamos da mais ampla unidade de todos aqueles que estão contra o aumento da passagem.

Por isso a Juventude Revolução defende a criação de um comitê amplo contra o aumento da passagem com participação de organizações, movimento e entidades, além de todo militantes, para democraticamente decidirmos em conjunto os rumos do movimento!

– Nenhum Aumento da Passagem!
– Passe Livre Estudantil Irrestrito!
– Empresa Pública de transporte, Rumo à Estatização!

Juventude Revolução – São Paulo

Não ao aumento das passagens!