Depois do circo de horrores na Câmara, 55 inimigos da juventude no Senado afastaram Dilma sem cometer nenhum crime. Um golpe! Temer assumiu ilegitimamente por até 180 dias, período para ser julgado o impeachment no Senado, sob o comando do presidente do STF.

O Ministério do golpe e seu comandante Michel Temer já mostraram a que vieram: prioridade no aumento da idade mínima de aposentadoria, ou seja, menos oportunidade de emprego para a juventude; terceirização de todos os serviços, precarizando o emprego. Os ministérios da cultura e do desenvolvimento agrário foram extintos. A “Ponte para o inferno” propõe entregar o pré-sal às multinacionais estrangeiras e desvincular as receitas de educação, que reduz o investimento obrigatório na educação pública. Nós não vamos aceitar!

Já cresceu a repressão: aos estudantes secundaristas de SP que ocupavam escolas e diretorias de ensino, os PMs responderam que “não precisa mais de mandado” para reintegração de posse, agindo com truculência. Este é o reflexo de uma das nomeações de Temer, ex-secretário de segurança pública de Alckmin, para o ministério da Justiça! Repressão já sinalizadaantes nos ataques da justiça a estudantes na UFMG e UFG, proibidos de se posicionar sobre o impeachment. Foi doJudiciário que se articulou o golpe, cujo cérebro é o STF, para tentar atingir o PT e as organizações populares. A repressão tem objetivo: impedir a resistência, facilitar a destruição de nossos direitos, consolidar o governo ilegítimo.

Está certa a UNE quando afirma que “tem o dever de reportar-se como presidenta da República somente àquela que é de fato presidenta da República: Dilma Vana Rousseff”. Não reconheceremos um governo golpista.

Nenhum sossego aos golpistas!

A luta continuará até reconduzir Dilma ao mandato que lhe foi dado nas urnas para atender as reivindicações da juventude!É pra isso que a reconduziremos, e não pra cometer o mesmo erro de aplicar, em parte, o programa dos derrotados nas urnas, como fez com Levy e Barbosa.

Não ha saída através dessas instituições podres. Ninguém confia no Congresso, que não representa os nossos interesses. Só uma Assembleia Constituinte Soberana pode varrer esses bandidos e fazer uma profunda reforma no sistema político, como foi proposta por Dilma em 2013, e que Temer sabotou.

É hora de derrotar o golpe. É possível. Centenas de milhares de jovens se mobilizaram no último período para defender a democracia e seus direitos! A paralisação estudantil pretendida pela UNE no dia 28/04, não se generalizou, não houve tempo para preparar, mas centenas de estudantes se colocaram em movimento, com panfletagens, debates, aulões, trancaços e paralisações parciais.

É preciso insistir. Pois só existe um jeito de barrar o golpe: unir a juventude aos trabalhadores na preparação de uma grande greve geral em todo o país! Lugar que a UNE e a UBES devem ocupar com toda força! É necessário uma ampla mobilização: passar em cada sala, cada entidade, discutir com a massa da juventude nas escolas e nas universidades. Há disposição da juventude para o combate!

A antecipação da eleição presidencial ou o plebiscito sobre esse tema são falsas saídas! Só favorecem os golpistas que querem garantir um candidato legitimado nas urnas para aplicar o programa que Temer terá dificuldade, pois não terá um minuto de sossego! Aos esquerdistas que dizem “Fora todos!”, como se PT, PMDB e PSDB fossem todos iguais, a história reservará um lugar.

Multiplicar a resistência!

É hora de reforçar os comitês contra o golpe em todas as escolas e universidades! As entidades estudantis podem ser polos de resistência, ajudando a construir a mobilização necessária para barrar o golpe!

A Juventude Revolução permanecerá nessa luta, ajudando os comitês a organizar a resistência! Convidamos a juventude a participar de panfletagens, debates, atividades culturais, reuniões, atos e paralisações! Organize-se conosco!

Conselho Nacional da Juventude Revolução

Não ao golpe! Fora Temer! Em defesa da educação pública!