No último período, o movimento sindical e o movimento estudantil tem se mobilizado contra o pacote de ajustes do governador Rollemberg. Foram anunciados diversos aumentos e retiradas de direitos, como o fim da isenção do vestibular da UnB, não pagamento do reajuste salarial a servidores, aumento da passagem de ônibus, aumento do ticket do restaurante comunitário, etc.

Diante disso e do calote que o governo vem dando nos professores não pagando a parcela do reajuste, conquistado através de muita luta, a categoria se mobilizou fechando vias do DF exigindo do governador que atendesse as demandas das categorias e revogasse o ajuste.

Porém, o que vimos ontem, foi uma resposta truculenta. Diversos professores foram presos e agredidos pela polícia militar. A diretora do Sindicato dos Professores do DF(SINPRO-DF)e vice presidente da CUT DF Meg Guimarães foi tirada pelos cabelos do carro e teve seu rosto ferido devido a truculência com que a PM, a mando do Governo, atacou os professores. Os professores foram recebidos com gás de pimenta, bala de borracha e bombas de efeito moral. Demonstrando que o Rollemberg não está interessado em atender as demandas da categoria e dos movimentos sociais.

Em defesa dos professores e pela libertação dos detidos, a categoria dos rodoviários paralisou até a liberação destes. Demonstrando uma grande unidade do movimento sindical contra o autoritarismo do Governo.

Esse é somente um dos eventos que demonstram que nesse momento é essencial a unidade dos servidores e do movimento estudantil. A Juventude Revolução está mobilizada e organizada durante a greve contra qualquer retirada de direitos. O movimento estudantil e sindical já deixou claro que não aceitaremos nenhum direto a menos e não cederemos diante de tamanha repressão.

Victor Caique, é militante da JR no DF e diretor da UBES

Professores do DF são agredidos em ato contra calote do governador!