PL da mordaça vai ficar pra 2019. Vitoria dos estudantes e educadores brasileiros!

PL da mordaça vai ficar pra 2019. Vitoria dos estudantes e educadores brasileiros!

Desde o resultado das eleições, o congresso nacional reanimou o debate sobre o PL Escola sem Partido. A tramitação em comissão especial foi acompanhada de perto pela UNE, UBES, ANPG e pelos sindicatos da educação. As entidades se posicionam contrárias à aprovação do projeto por entender que ele representa um ataque à qualidade do ensino brasileiro, restringindo o acesso ao conhecimento quando impede o professor de apresentar livremente os temas em sala de aula para que os estudantes possam debater e aprender. A comissão especial que trata da matéria encerrou hoje suas atividades do ano sem realizar a votação do projeto, após sucessivas seções serem convocadas com essa finalidade. A pressão do movimento educacional tanto no congresso como nas escolas e universidades fez a diferença. Mas a luta continua! Com a posse de Jair Bolsonaro em janeiro, devemos estar preparados para enfrentar este PL e uma série de outras medidas que visam destruir a educação. Com as bases nacionais comuns curriculares que tornam português e matemática as únicas disciplinas obrigatórias nas escolas, matérias à distância no ensino básico e cobrança de mensalidades nas universidades públicas. A Juventude Revolução do PT estará lado a lado com as entidades estudantis organizando a resistência em defesa dos direitos que a juventude e os trabalhadores conquistaram com muita luta. Junte-se a nós! Hélio Barreto – dirigente da UNE e militante da JR-DF

Pela educação eu voto 13!

Pela educação eu voto 13!

As eleições estão chegando, a perspectiva de futuro da juventude está em jogo. No ensino superior privado os estudantes se endividam com o novo FIES e têm cada vez mais disciplinas à distância. Os prounistas enfrentam uma cláusula de desempenho sufocante. As universidades públicas são destruídas pela EC 95 que gera redução de bolsas, paralisação de obras e demissões de funcionários.

Os podres poderes contra a Educação

Os podres poderes contra a Educação

Texto publicado originalmente no site do Jornal O Trabalho no dia 5 de novembro de 2017. (http://otrabalho.org.br/os-podres-poderes-contra-a-educacao/) Judiciário acata pedido do movimento “Escola sem Partido” Na tarde de hoje, os estudantes que participaram da prova do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, fizeram a prova de redação, após mudança ordenada pelo Judiciário. Em resposta a ação movida por membros do denominado movimento Escola sem Partido, o desembargador Carlos Moreira Alves, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), de Brasília, emitiu liminar suspendendo o Edital do Enem 2017 na parte em que prevê a nota zero automática para redações com teor desrespeitoso aos direitos humanos. A decisão foi reafirmada no sábado (04) pela Ministra Carmen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, que negou pedido da Procuradoria Geral da República e a Advocacia Geral da União pela manutenção do que previa o edital. A mudança vem se juntar a outras, como a restrição à isenção de taxa que até 2016 era automática para os egressos das redes públicas de ensino. Em tese, a prescrição do edital do Enem talvez fosse desnecessária, pois o respeito aos direitos humanos fundamentais já está contemplado até mesmo na Constituição de 1988,vedada ação atentatória aos mesmos, como afirma o seu Art. 5º. Assim, o entendimento do Judiciário que derruba a proibição de formulações que atentem aos direitos humanos na redação do Enem, proibição válida para qualquer esfera da vida civil, é obviamente inconstitucional. Salvaguarda do reacionarismo Com a medida, os concorrentes ao Enem deste ano não zerarão na redação se defenderem, por exemplo, o trabalho escravo, ou a tortura, ou mesmo os que se posicionarem a favor da discriminação de qualquer natureza. Conquistas importantes, mesmo que formais, da civilização, portanto, saem do rol do patrimônio comum para se tornarem mais uma vez algo aceitável ou apenas objeto do direito a opinião. Trata-se de um retrocesso civilizatório evidente que, na verdade, aceita como um ponto de vista válido a opressão sobre os oprimidos. Mais grave do que o pedido da Escola sem Partido à Justiça é o acolhimento deste pelo TRF-1 e pela presidente do Supremo. O episódio é mais uma evidência da degenerescência do Poder Judiciário no país, já transformado em instrumento de perseguição das classes dominantes contras as organizações populares e dos trabalhadores, mas que agora se coloca como balcão de homologação das teses mais reacionárias advindas de organizações de coloração fascistas, como a Escola sem Partido. Foi esse mesmo Judiciário que semanas atrás reintroduziu o ensino confessional na escola pública e, a seguir, se manteve impávido frente à ofensiva contra a liberdade de cátedra e contra o ensino científico em várias Câmaras de Vereadores e Assembleias Legislativas (os Projetos de Lei Escola sem Partido). Com esta decisão sobre o Enem, o Judiciário expressa, mais uma vez, o apodrecimento das instituições no seu conjunto, que estão aí para destruir direitos, conquistas e a civilização. Eudes Baima

NÃO À REFORMA DO ENSINO MÉDIO! Mobilizar pra o dia 15.03! Greve na educação!

NÃO À REFORMA DO ENSINO MÉDIO! Mobilizar pra o dia 15.03! Greve na educação!

O Senado Federal aprovou nesta quarta, 08.02, por amplíssima maioria, o Projeto de Lei de Conversão 34/2016 (antiga MP 746) da Reforma do Ensino Médio. Agora, o projeto segue para sanção do golpista Michel Temer que já afirmou: “É a segunda das reformas fundamentais para o Brasil, a do ensino médio. Vou ver se sanciono nesses próximos dias, muito rapidamente”. A pressa de Temer tem um objetivo: o governo golpista quer destruir o direito à educação pública e universal.

Estudantes de educação física da UFAL Arapiraca aprovam moção pela retirada da MP 746

Estudantes de educação física da UFAL Arapiraca aprovam moção pela retirada da MP 746

O ato debate organizado pelo CAEF para discutir a reformulação do ensino médio (proposta do governo golpista) e as suas consequências para a educação física e para a profissão docente aconteceu no pátio da UFAL Arapiraca, terça-feira dia 27.09, e contou com cerca de 50 estudantes. Com a presença de dois professores egressos do curso de educação física e professores da rede municipal de Arapiraca, foi possível trazer a realidade do município e suas experiências com as escolas de tempo integral na educação infantil.

Em Arapiraca, estudantes de Educação Física se organizam contra a reforma do ensino médio

Em Arapiraca, estudantes de Educação Física se organizam contra a reforma do ensino médio

A gestão (2016-2017) do CAEF (Centro Acadêmico da Educação Física) – MEEF é para lutar – da UFAL Arapiraca tomou posse hoje. Cerca de 50 estudantes do curso de educação física licenciatura além de empossar o centro acadêmico, se reuniram para discutir a reformulação do ensino médio aprovada pelo governo golpista de Michel Temer.

Universidades federais devem ter corte de até 45% nos investimentos

Universidades federais devem ter corte de até 45% nos investimentos

  [Reproduzimos abaixo a matéria publicada no Estadão no dia 11/08] O governo federal prevê cortar até 45% dos recursos previstos para investimentos nas universidades federais em 2017, na comparação com o orçamento deste ano. Já o montante estimado para custeio deve ter queda de cerca de 18%. Segundo cálculos de gestores, serão cerca de R$ 350 milhões a menos em investimentos para as 63 federais – na comparação com os R$ 900 milhões previstos para o setor neste ano. As instituições já vivem grave crise financeira, com redução de programas, contratos e até dificuldades para pagar contas.