Contribuição da Juventude Revolução do PT ao 7° Congresso do partido

No momento que se convoca o 7º Congresso do PT é importante dizer: precisamos de uma Juventude do PT autônoma. Essa é uma questão chave: defender uma organização autônoma da juventude do partido, onde se discuta livremente as questões e se decida coletivamente o que fazer e como agir. Ela é necessária para fazermos nossa própria experiência, errando e acertando, buscando se conectar verdadeiramente com a periferia, escolas etc., e aprender a lutar junto com a classe trabalhadora.

A JPT não precisa esperar autorização da direção para falar ou agir, muito menos ficar presa na estrutura de gabinetes, mandatos e prefeituras. Sim, é possível. A JPT fez isso quando questionou de bate pronto a declaração do governador da Bahia, Rui Costa (PT), ao defender cobranças nas universidades públicas. Fez certo! Não precisa pedir licença para defender direitos.

Fala-se muito de valorizar a juventude no partido, mas infelizmente somos lembrados na hora de cumprir as cotas no PED, quando as chapas são obrigadas a ter certo número de jovens para se inscrever. Como se fôssemos objetos para cumprir regras burocráticas. Como Juventude do PT, queremos ser parte viva do partido nas lutas sociais por emprego, pela vida, por educação pública e direito ao futuro digno com aposentadoria pública e solidária, sobretudo porque o desemprego já alcança 25% dos jovens, os cortes na educação atingem escolas e universidades, e aumenta violência da PM e do tráfico nas periferias. Queremos participar dos debates e decisões sem amarras.

Aprendemos com os mais experientes, sem dúvida, mas também podemos ensinar e contribuir com nossa disposição e ousadia. Queremos ajudar o partido no que for preciso, mas questionando o que não concordarmos. Por exemplo, não somos obrigados a defender alianças com setores das oligarquias ou de partidos burgueses nas eleições em nome da tal “governabilidade”. Queremos autonomia para combater o genocídio da juventude negra pelas PMs, independente do governo que esteja no poder.

A JPT deve ter reuniões periódicas para discutir, por exemplo, a intervenção nos congressos como o da UNE. A ação unitária dos jovens do partido com uma só voz, respeitada a pluralidade das correntes e grupos internos, é o caminho para construir uma chapa petista para disputar a UNE e recolocá-la na linha de frente das lutas estudantis. A fragmentação da JPT nesta disputa só interessa aqueles que se encastelaram na direção da entidade há 30 anos e, agora bajulam o STF, essa instituição antidemocrática que mantém Lula preso. A JPT pode ser um verdadeiro ponto de apoio para aqueles que lutaram contra o impeachment, ocuparam universidades e escolas contra o retrocesso na educação, entraram de cabeça na campanha pelo voto 13 e, hoje, seguem resistindo contra as medidas desse governo autoritário, obscurantista e entreguista de Bolsonaro, lambe-botas de Trump.

Defendemos a JPT viva na resistência, lutando pelos interesses da juventude oprimida junto com os trabalhadores. Sim, isso é possível e é real. Ela esteve nas ruas dia 15 de maio, ombro a ombro com milhares de jovens, contra os cortes, e dizendo não à Reforma da Previdência, se apoiando na posição do PT para derrotar esse governo, sem negociar direitos. Assim deve continuar, através da sua presença nas entidades estudantis, nos grupos culturais, pastorais e comunidades para ajudar na preparação da greve geral de 14 de junho.

Defendemos a JPT com finanças próprias com contribuição voluntária de seus militantes, venda de materiais para garantir a independência política, sem depender de ninguém. Queremos ter as condições financeiras, e apoio quando necessário, para concretizarmos as decisões tomadas nas instâncias da JPT.

A juventude do partido precisa ter a liberdade para fortalecer seus espaços e ajudar defender o partido contra os ataques das instituições podres, como o Judiciário, que foram preservadas na  Constituição de 88, onde o PT votou contra o projeto final. É hora da JPT se lançar na luta sem tréguas para massificar a campanha Lula Livre em cada canto desse país. Esta luta será mais forte com o vigor e ânimo da livre organização dos jovens petistas, capaz de dirigir milhares que buscam no PT um  instrumento de luta.

Companheiras e companheiros,

O 7º Congresso ocorre num momento decisivo para o futuro do PT e do Brasil.

Sabemos que nada é fácil. A autonomia da JPT é um desafio que só se alcançará coletivamente, aprendendo com nossa própria experiência e avançando na organização.

A juventude é a chama da revolução, e está nas lutas de resistência contra o imperialismo em curso vários países, como na Argélia e outros.

Nesse momento em que centenas de milhares de jovens se levantam para defender a educação pública e se juntam aos trabalhadores na luta contra Reforma da Previdência, é necessário, mais que nunca, abrir a discussão sobre uma JPT autônoma para organizar a luta pelos interesses da maioria oprimida dos jovens brasileiros.

Por uma juventude do PT autônoma!
Em defesa da Educação, Não aos cortes!
Contra o governo Bolsonaro e a reforma da previdência. Por um futuro para a juventude!
Lula livre!

Quer participar do 7° Congresso do PT?
Você pode se filiar até o dia 8 de junho pelo site
http://juventuderevolucao.com.br/
Entre em contato e participe das reuniões de núcleo da JR do PT.
Vem com a gente!
Zap: 61 8218-8646.

Carta aos jovens petistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *