maia_nao_INos dias 1 e 2 de fevereiro, acontecerá a votação para a presidência do Senado e da Câmara dos Deputados, respectivamente. Os candidatos do governo golpista de Michel Temer são Rodrigo Maia (DEM) e Eunício Oliveira (PMDB). Ambos golpistas, sem nenhuma dúvida, farão de tudo para acelerar os ataques aos direitos da juventude e da classe trabalhadora.

É por isso que os partidos e parlamentares que lutaram contra o golpe não deveriam votar em golpistas. Porém não é assim que tem pensado alguns desses partidos como o PcdoB! Infelizmente, em nota oficial, o Deputado Daniel Almeida (BA), líder do partido na Câmara, considera que deve se “resgatar o papel do parlamento na eleição da Mesa da Câmara” através de um “pacto sincero entre a maioria e a minoria”.

Será por isso que as principais entidades estudantis (UNE e UBES), dirigidas pela UJS (ligada ao PC do B) também estão em “silêncio”? Seria um absurdo, porque elas podem exercer uma pressão nos parlamentares para não cometerem esse erro, pois só confunde e desmobiliza aqueles, como os jovens e estudantes, que estão na luta contra as medidas dos golpistas, principalmente contra educação.

Afinal, qual “pacto sincero” devemos fazer com os golpistas que querem nos levar a trabalhar até a morte (reforma da previdência); ou que querem fazer sangrar ainda mais a educação pública através da PEC 55 (teto de gastos) e da reforma do ensino médio?

O golpe foi arquitetado e orquestrado justamente pelas instituições apodrecidas, como o Judiciário, a própria Câmara e o Senado. Não há pauta mínima entre o povo e os golpistas!

O PT, principal partido de esquerda do país, que no último período foi obrigado a retomar as ruas para lutar contra o golpe, não poderia cometer esse mesmo erro! A sua Direção Nacional não tomou posição e “liberou” as bancadas para decidir sobre o voto. Ou seja, na prática, o PT ficou em cima do muro.

Nós, que estivemos lutando contra o golpe, lado a lado com milhares de jovens, muito deles petistas, consideramos inaceitável qualquer voto em golpista! A política de conciliação de classe, que foi levada até as últimas consequências pelo PT nos 14 anos de mandato foi o que abriu brecha para os golpistas atuarem. Não é possível que para conseguir um mero cargo na mesa diretora do Congresso, o PT faça composição para votar em golpistas. Não é possível! As ruas sentirão o impacto dessa decisão equivocada,.

Seria importante que tais partidos se somassem à construção da greve geral, junto com a CUT e demais centrais, por nenhum direito a menos, prosseguindo a luta por “Fora Temer! Nenhum direito a menos!”

Nos somamos aos petistas, principalmente os jovens, que estivemos lado a lado nas ruas, para nos dirigir aos deputados do PT: Não cometam esse erro! Maia não. Nenhum voto em golpista!

Rodrigo Lantyer, pelo CNJR.

COM MAIA NÃO! NENHUM VOTO EM GOLPISTA
Classificado como:                        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *