A JRdoPT da região do Vale dos Sinos, no Rio Grande do Sul, está impulsionando a construção de grêmios estudantis nas escolas da região. Os militantes da JR estiveram promovendo reuniões na Escola Técnica Estadual Visconde de São Leopoldo (Agrícola) e na Escola Técnica Estadual Portão (ETEP) em Portão nas últimas semanas dialogando com a juventude sobre a Lei do Grêmio Livre e a importância de se construir grêmios estudantis para ajudar a organizar a resistência frente aos terríveis ataques à educação pública do governo Bolsonaro e de Eduardo Leite (PSDB), governador do RS.

De acordo com o relato da estudante Maria Antônia do 2° ano do ensino médio e técnico em Agropecuária do colégio Agrícola, as atividades “foram super importantes falar com alguém que entendesse do assunto, que seria o grêmio. A gente precisava se organizar, para pode tocar no assunto política dentro da escola, para podermos debater. Foi super importante, pessoal adorou a JR, ficou super interessado, foi uma forma de conhecermos um lugar que a gente pudesse expressar nosso conhecimento sobre política e aprender, o que muitas vezes não ocorre sobre o assunto.”

No fim de semana anterior ao dia 13 de agosto, Dia Nacional Em Defesa da Educação e da Aposentadoria, os estudantes secundaristas promoveram uma oficina de cartazes e um debate sobre o tema para impulsionar a mobilização.

A realidade dos estudantes e trabalhadores gaúchos

Com algumas de suas principais universidades federais em estado de colapso (UFRGS) ou declarando caixa zerado (UFSM, UFPel), não há perspectiva de futuro para os milhares de jovens que hoje cursam o ensino médio sonhando com a possibilidade de ingressar no ensino superior gratuito. Para aqueles que já cursam, o medo de que sua universidade possa fechar e seus sonhos terem um fim é constante. O governo apresenta o projeto “Future-se” como saída da crise orçamentária. Mentiras e mentiras! Em audiência pública na cidade de Santa Maria, sede da UFSM, os estudantes já declararam rechaço a esta privatização da universidade pública disfarçado de “saída da crise”. Todo mundo sabe que empresa só investe de onde possa tirar lucro. Por isso, é de extrema importância estarmos organizados e preparados para defender com unhas e dentes os nossos direitos!

O governador Eduardo Leite se mostra um inimigo declarado da educação, agindo com uma política muito similar a de seu antecessor, José Ivo Sartori (MDB). Leite prioriza a privatização de empresas públicas (como o Banrisul), manter o congelamento e parcelamento de salários de nossos professores (que já dura desde 2015) e e alinha-se ao governo Bolsonaro, encaminhando a Reforma da Previdência do RS. É um claro ataque aos direitos da juventude e da classe trabalhadora, dia após dia. Não vamos pagar essa conta!

A juventude quer educação pública e de qualidade, a juventude quer viver, se divertir, estudar e ter uma perspectiva de futuro e trabalho digno. A juventude quer se aposentar!

Continuaremos construindo grêmios estudantis em todas as escolas do estado, fortalecendo Diretórios e Centros Acadêmicos (DA’s e CA’s) e DCE’s em cada universidade e lutando pelos nossos direitos.

NÃO à Reforma da Previdência!
NÃO ao Future-se!
Pela educação pública e de qualidade!

Márcia, militante da JR-RS

JRdoPT impulsiona construção de grêmios estudantis no RS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *